Tamanho do texto

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou em linha com o esperado em novembro, pressionado pelos alimentos, e a taxa em 12 meses teve ligeiro aumento. O indicador avançou 0,41 por cento em novembro, após alta de 0,28 por cento em outubro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira. Foi a maior taxa desde maio.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237575456632&_c_=MiGComponente_C

Analistas consultados pela Reuters esperavam avanço de 0,40 por cento, segundo a mediana dos prognósticos de 19 instituições financeiras, que variaram de 0,38 por cento a 0,43 por cento.

"Após quatro meses em queda, o grupo Alimentação e bebidas voltou a subir (de queda de 0,09 por cento em outubro para alta de 0,58 por cento em novembro) e exerceu a principal pressão de alta no índice de outubro para novembro", afirmou o IBGE em nota.

Os destaques de alta entre os alimentos foram batata-inglesa, com a principal contribuição individual do mês, de 0,06 ponto percentual, e cebola.

No ano, o IPCA acumulou alta de 3,93 por cento. Em 12 meses, a elevação foi de 4,22 por cento, um pouco acima da taxa em 12 meses até outubro, de 4,17 por cento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.