Tamanho do texto

SÃO PAULO - A parceria estratégica firmada com a norte-americana SkyWest é mais um passo em direção à abertura do capital da Trip, disse hoje o presidente da empresa aérea regional, José Mário Caprioli. Segundo ele, a meta da companhia é estar pronta para a oferta pública de ações inicial (IPO, na sigla em inglês) em 2010.

Essa meta nos obriga já a fazer a lição de casa neste ano e em 2009, para deixar a companhia em condições de poder abrir o capital em 2010, afirma Caprioli. A intenção é deixá-la preparada para isso, mas a eventual abertura só irá ocorrer realmente se houver boas condições de mercado, acrescenta.

Segundo o executivo, um dos objetivos da companhia no caminho para a abertura de capital era uma parceria com uma empresa estrangeira estratégica. Ele reconhece que não esperava fechar acordo com a maior empresa aérea regional do mundo, mas isso certamente foi bem-vindo.

Estamos num mercado que requer capital intensivo e a abertura de capital certamente é uma meta para nos capitalizar para expandir, diz Caprioli. Nosso parceiro já passou por isso e, com a experiência dele e o ganho em qualidade vindo dessa parceria, certamente estamos nos preparando melhor para um IPO, acrescenta.

O presidente da Trip afirma que a oferta da empresa já é bastante interessante, já que consolidou seu sucesso no mercado. Ele acredita que a companhia já atravessou a fase de incerteza e demonstra resultados sólidos. Entre o fim de 2007 e julho deste ano, a empresa mais do que dobrou sua participação no mercado - em parte sustentada pela compra da concorrente mineira Total, em novembro. A previsão para este ano é fechar com faturamento de R$ 300 milhões - contra R$ 117 milhões em 2007 - e lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês, ou Lajida, em português) de entre R$ 45 milhões e R$ 50 milhões. No ano passado, a empresa obteve equilíbrio contábil (breakeven) no Ebitda.

Segundo Caprioli, essas projeções se baseiam no bom desempenho da margem de lucro antes de impostos que a empresa consegue apresentar. No primeiro semestre deste ano, a margem da Trip foi de 6,6%, contra 2,1% da TAM e (-8,2)% da Gol.

(José Sergio Osse | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.