SÃO PAULO - Alguns membros do comitê de política monetária (FOMC, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed), banco central norte-americano, avaliaram, durante a última reunião do grupo, que seria apropriado que o órgão fizesse algum aperto na política monetária muito em breve.

A revelação foi feita com a divulgação, na tarde de hoje, da ata do encontro ocorrido nos dias 24 e 25 de junho passado, quando o Fed decidiu pela estabilidade da taxa de juros. Desde o início da crise de crédito em meados do ano passado, o Fed já reduziu os juros básicos dos EUA de 5,25% para 2% ao ano. De lá para cá, a inflação começou a preocupar a autoridade monetária norte-americana, o que justificaria uma mudança de trajetória para a taxa básica.

Outros membros do FOMC, órgão equivalente ao Copom brasileiro, no entanto, ainda acham que é cedo para uma elevação dos juros. Eles avaliam que as condições econômicas ainda estão muito frágeis e que os custos para se tomar um empréstimo estão mais altos para os consumidores do que estavam antes de o Fed iniciar o corte dos juros.

A análise, portanto, é de que apesar de o nível de inflação justificar uma elevação dos juros, a incerteza sobre as condições econômicas são grandes o suficiente para que o Fed mantenha a taxa e aguarde mais indicadores para tomar uma decisão.

Com o crescente risco de alta para a a inflação e para as expectativas de inflação, alguns membros (do FOMC) avaliaram que a próxima mudança no âmbito da política monetária poderia ser uma alta na taxa de juros, diz o texto da ata. No entanto, na visão da maioria dos membros, a previsão tanto para a atividade econômica quando para as pressões de preços permanecem muito incertas e, portanto, o momento e a magnitude de uma futura ação ainda não estavam claros, relata o documento.

Leia também:

Leia mais sobre Fed

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.