Tamanho do texto

Washington, 6 fev (EFE).- A pobreza crescerá entre 10% e 15% na América Latina em 2009, causando a perda de 4 milhões de empregos se não houver uma resposta contundente à crise econômica, afirmou hoje Rebeca Grynspan, diretora para a América Latina e o Caribe do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

A região precisa urgentemente de injeção de dinheiro público para evitar que se percam os avanços sociais conseguidos nos últimos anos, disse ela à imprensa.

"Minha preocupação é de que, ao contrário dos Governos maiores, as economias pequenas e médias não têm como bancar um choque desta magnitude", assinalou.

Ela chamou de insuficientes os empréstimos adicionais estendidos pelo Banco Mundial e outros organismos internacionais, e pediu um aumento dos recursos para a região.

Se não houver uma resposta mais enérgica, as consequências serão muito graves.

Ela explicou que as previsões "otimistas" apontam que a região crescerá este ano apenas "em torno de 1%".

"Isso causará uma perda de 4milhões de empregos, e um crescimento dos trabalhos informais e mal remunerados, que colocarão 7 milhões de trabalhadores em situação precária", afirmou.

Além disso, a percentagem de pobres passará de 35% da população para um patamar entre 38% e 40%, o que significa uma volta à taxa de 2005.

A diretora do Pnud para a região também chamou a atenção para a vulnerabilidade com a crise mundial de crédito das empresas brasileiras e mexicanas que se financiam nos mercados internacionais. EFE cma/jp