Tamanho do texto

O custo final do plano de resgate bancário será substancialmente menor do que US$ 700 bilhões, depois que o governo tiver vendido os ativos adquiridos, disse nesta quarta-feira aos parlamentares o diretor do Escritório de Orçamento do Congresso (CBO), Peter Orzag.

Em conversa com congressistas da Comissão de Recursos, Orzag declarou que, de acordo com as estimativas do CBO, "em longo prazo, o desembolso líquido sob esse programa será substancialmente menor do que US$ 700 bilhões".

O Tesouro propõe a aquisição dos ativos questionados no ano fiscal 2009 e, "em última instância, o governo venderia os ativos adquiridos, com o qual geraria receitas que reduziriam em muito o custo inicial", completou.

O diretor do CBO advertiu, porém, que a "falta de especificidade sobre como seria implementada essa autorização torna impossível, nesse momento, fornecer uma análise quantitativa do custo líquido da ajuda para o governo federal".

O CBO é um corpo independente encarregado de fornecer análises econômicas para ajudar o Congresso a adotar decisões referentes ao orçamento.