Washington, 17 nov (EFE).- A Casa Branca afirmou hoje que qualquer ajuda concedida à indústria automotiva não deve sair, como pedem os democratas, do resgate financeiro de US$ 700 bilhões que o Congresso aprovou no mês passado.

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, "não quer que os fabricantes de automóveis americanos fracassem", declarou hoje em uma declaração escrita a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino.

"A indústria automotiva é uma parte importante de nossa base manufatureira e desejamos que a indústria tenha êxito e concorra na economia global", declarou a porta-voz.

No entanto, afirmou que o Governo Bush continua se opondo a que se retire a ajuda de US$ 25 bilhões para o setor automotivo do plano de resgate financeiro de Wall Street aprovado no mês passado.

Afirmou que não foi intenção do Congresso que o plano de resgate de Wall Street "servisse para ajudar os fabricantes de automóveis ou outros setores da economia".

"Tinha como única intenção - declarou - enfrentar a contínua crise de crédito em nosso setor financeiro".

Esta concessão de fundos para a General Motors (GM), a Ford e a Chrysler deveria ser proveniente de um programa de empréstimos do Departamento de Energia para o desenvolvimento de veículos que consumam menos combustível, declarou Perino.

As afirmações da Casa Branca são feitas em um momento no qual os democratas no Senado impulsionam a partir de hoje um plano de ajuda para o setor que poderia ser submetido a votação nesta quarta. EFE mp/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.