SÃO PAULO - O banco central dos EUA, o Federal Reserve (Fed), não deve elevar as taxas de juros do país nos próximos meses, já que a inflação não é um fator de risco. A afirmação foi feita hoje pela presidente do Federal Reserve de San Francisco, Janet Yellen, presente em evento em Los Angeles. Eu não acredito que já é a hora de apertar a política monetária, afirmou.

"A economia está operando bem abaixo de seu potencial e a inflação está contida", completou a autoridade monetária.

Para Yellen, a economia americana vai continuar com crescimento moderado, a inflação continuará leve o desemprego seguirá caindo. Segundo suas projeções, no atual trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA deverá avançar entre 2,5% e 3%.

Mas, quando a recuperação mostra mais força e a produção alcançar seu potencial, virá o momento em que será apropriado elevar as taxas de juros de curto prazo.

Yellen se mostrou tranquila também com relação ao déficit orçamentário no país, classificando-o de "transitório e relacionado à recessão".

Sobre o desemprego, a autoridade assinalou que o mercado de trabalho está se estabilizando, e que a taxa de desemprego deverá ficar alta ainda por alguns anos. Ela estima que este ano encerrará com um desemprego de 9,25% e no ano que vem, a taxa recuará para 8%.

Yellen tem ampliado sua influência no banco central dos EUA e há expectativas no mercado de que ela possa substituir Donald Kohn, atual vice-presidente do Federal Reserve, que deixará o cargo no meio do ano.

(Vanessa Dezem | Valor com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.