SÃO PAULO (Reuters) - A Advocacia Geral da União (AGU) informou nesta quinta-feira que ainda não foi notificada pela Justiça do Pará da suspensão do leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte, previsto para 20 de abril.

Entretanto, a AGU informou à Reuters, por meio de sua assessoria de imprensa, que irá recorrer da decisão assim que for informada sobre a liminar.

SÃO PAULO (Reuters) - A Advocacia Geral da União (AGU) informou nesta quinta-feira que ainda não foi notificada pela Justiça do Pará da suspensão do leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte, previsto para 20 de abril.

Entretanto, a AGU informou à Reuters, por meio de sua assessoria de imprensa, que irá recorrer da decisão assim que for informada sobre a liminar.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) também informou que não foi notificada, enquanto a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Ministério das Minas e Energia (MME), afirmou que não tem uma posição sobre o assunto, mas confirmou que a AGU vai se posicionar para tentar derrubar a decisão.

Na quarta-feira foi concedida pelo juiz federal Antonio Carlos Almeida Campelo, da Subseção de Altamira, no Pará, uma liminar que suspendeu a realização do leilão.

Na semana passada, o Ministério Público Federal (MPF) do Pará abriu simultaneamente duas ações civis públicas contra o licenciamento ambiental que liberou a construção da usina hidrelétrica .

Em comunicado, a Justiça Federal do Estado do Pará afirma que a liminar foi concedida pela apreciação civil de uma das duas ações ajuizadas na semana passada. O juiz ainda deverá julgar a segunda ação nos próximos dias, também com pedido de liminar.

"Nessa ação, o MPF argumenta, especificamente, que a construção do empreendimento violaria vários dispositivos da legislação ambiental, inclusive a falta de dados científicos conclusivos", diz o comunicado. Além disso, há outra ação interposta pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), pedindo a suspensão do leilão pelo mesmo motivo da decisão que resultou na concessão da liminar da quarta-feira.

A usina hidrelétrica de Belo Monte, que deverá ser a terceira maior do mundo, atrás da binacional Itaipu e da chinesa Três Gargantas, tem investimentos previstos de 19 bilhões de reais e o preço-teto por megawatt-hora é de 83 reais. Vence o leilão quem oferecer o maior deságio.

O empreendimento tem entrada de operação prevista para 2015 (1a fase) e 2019 (2a fase), e terá capacidade instalada de 11 mil megawatts, com garantia física de 4.571 megawatts médios.

(Por Carolina Marcondes, com reportagem adicional de Denise Luna)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.