Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Agronegócio pode sair fortalecido da crise, diz Camargo Neto

Brasília, 27 - O presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Pedro de Camargo Neto, disse hoje que o agronegócio brasileiro pode sair fortalecido da crise financeira internacional. Ele acrescentou que a taxa de câmbio, atualmente em cerca de R$ 2,20, vai tornar a exportação brasileira mais competitiva, mesmo se houver uma queda nos preços das commodities agrícolas, por conta do desaquecimento da economia mundial.

Agência Estado |

De acordo com ele, estão mantidas as perspectivas da exportação brasileira de carne suína para este ano. Os embarques devem somar 600 mil toneladas e render US$ 1,8 bilhão, números parecidos com os do ano passado. Para 2009, Camargo Neto comentou que ainda é cedo para falar em previsões porque o setor está "tentando digerir" os efeitos da crise internacional.

Ele avaliou que, se o dólar se mantiver a R$ 2,20, o Brasil deve se tornar mais competitivo no mercado exportador, podendo atrapalhar concorrentes internacionais, como é o caso da Dinamarca, que é grande produtor mundial de carne suína.

O Brasil é o quarto maior exportador de carne suína do mundo e as vendas estão concentradas no mercado da Rússia, que absorve cerca de 40% dos embarques do Brasil. Camargo Neto observou que alguns compradores têm tentado renegociar contratos por causa da valorização do dólar. Ele disse, no entanto, que o problema é mais grave no caso da carne bovina, em virtude do elevado nível do estoque na Rússia.

O presidente da Abipecs informou, ainda, que não existe risco de "calote" nas vendas de carne suína ao exterior. Isso porque, segundo ele, 30% do valor de venda é pago no momento da contratação do pedido e o restante, 70%, é pago no porto, mediante entrega do lote.

Camargo Neto ressaltou a força do mercado interno. Disse que o consumo interno passou de 12 quilos per capita para 14 quilos. Ele comentou que o setor não está preocupado com o possível aumento do preço do milho, importante componente da ração animal.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG