Buenos Aires, 15 jul (EFE).- A empresa Aerolíneas Argentinas, controlada pelo grupo espanhol Marsans, reconheceu hoje um passivo superior a US$ 800 milhões, incluídos US$ 240 milhões de dívida exigível, perante o juiz que estuda a intervenção solicitada pelo Governo argentino e pelos sindicatos.

A informação foi confirmada à Agência Efe por participantes da audiência.

Até agora, a Marsans tinha insistido em que a companhia enfrenta dívidas "exigíveis" por US$ 240 milhões, enquanto o Governo sustentava o número do passivo total.

O juiz comercial Jorge Sicoli escutou e interrogou durante cinco horas os representantes de todas as partes envolvidas, inclusive síndicos de credores, para decidir se intervém na companhia, informaram.

Os advogados de credores argentinos e espanhóis assistiram à audiência, mas não participaram. Eles haviam afirmado que a empresa devia milhões ao Fisco espanhol ao tomar o controle da Aerolíneas Argentinas em um processo investigado pela Justiça espanhola.

O Governo e os sindicatos se declararam satisfeitos com a informação emitida ao juiz, enquanto o presidente da Aerolíneas Argentinas, Horacio Fargosi, se limitou a afirmar que a audiência "foi muito boa em seu desenvolvimento".

"O importante é que a Marsans reconheceu um passivo por mais de US$ 800 milhões que inclui dívidas exigíveis de US$ 240 milhões", destacou o secretário de Transportes argentino, Ricardo Jaime, depois de expor a posição do Governo da Argentina. EFE alm/rb/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.