Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Advertências do Fed derrubam Dow Jones Industrial e Nasdaq

Nova York, 15 out (EFE).- As Bolsas de Nova York fecharam em baixa hoje, influenciadas pelo alerta do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Ben Bernanke, de que a estabilização dos mercados financeiros não será suficiente para garantir a recuperação econômica.

EFE |

Segundo números definitivos, o Dow Jones Industrial, principal índice de Wall Street, caiu 733,08 pontos (7,87%), para 8.577,91 pontos, em sua segunda maior desvalorização em pontos na história.

Já o indicador da Nasdaq recuou 150,68 pontos (8,47%), para 1.628,33.

Por sua vez, o seletivo S&P 500, que mede o rendimento de 500 grandes empresas, caiu 90,17 pontos (9,03%), para 907,84, enquanto o índice geral da bolsa tradicional, a New York Stock Exchange (Nyse), recuou 620,57 pontos (9,73%), para 5.759,96.

Nesta quarta-feira, Wall Street perdeu parte dos ganhos obtidos há dois dias, quando o Dow Jones registrou a alta recorde de 936,42 pontos (11,08%).

Segundo especialistas, as bolsas de Nova York foram arrastadas pelos dados econômicos divulgados pelo Governo e pelas advertências de Bernanke, o que anulou os efeitos positivos que eram esperados com os resultados de empresas como Intel, Coca-Cola, Wells Fargo e JPMorgan Chase, todos melhores que os previstos.

O Governo informou hoje que as vendas no varejo em setembro caíram 1,2%, a pior retração registrada em três anos, e que o Índice de Preços ao Produtor (IPP) caiu 0,4%, sua segunda queda consecutiva.

Em um discurso em Nova York, Bernanke advertiu: "A estabilização dos mercados financeiros é um primeiro passo fundamental, mas mesmo que se estabilizem, como esperamos que aconteça, uma recuperação econômica mais ampla não chegará logo em seguida".

O economista explicou que o mercado imobiliário continua tendo muito peso na fragilidade da economia real e dos mercados financeiros. Além disso, há "esfriamento nos gastos dos consumidores, nos investimentos empresariais e no mercado de trabalho".

Sem falar de recessão, o presidente do banco central americano previu uma queda nas exportações, descritas como "uma fonte de fortaleza" habitual para o país.

No entanto, Bernanke disse que essa desaceleração poderá ser parcialmente compensada por outros aspectos mais favoráveis, como a queda do preço do petróleo e de outras matérias-primas, o que deve ajudar a conter a inflação.

As quedas em Wall Street também foram influenciadas pela publicação do chamado Livro Bege do Fed, que indica que a atividade econômica diminuiu em setembro nos EUA e que os empresários ficaram mais pessimistas em relação ao futuro da economia americana.

Segundo o relatório, os gastos dos consumidores, que nos EUA equivalem a mais de dois terços do Produto Interno Bruto (PIB), diminuíram no mês passado na maioria dos distritos, tanto no comércio varejista como no turismo e nas vendas de veículos.

Entre as companhias que apresentaram resultados nesta quarta, subiram as ações da Coca-Cola (1,1%) e da Delta Airlines (1,22%), ao passo que fecharam em baixa os títulos do JP Morgan Chase (5,82%), da Intel (5,9%), do Wells Fargo (0,51%) e da American Airlines (0,11%).

No mercado secundário da dívida, o valor dos bônus do Tesouro com resgate em dez anos subiu, e sua rentabilidade, que se movimenta em sentido inverso, caiu de 4,06% para 3,98%. EFE bj/sc

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG