Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Acordo dobra freqüências de vôos entre Brasil e Austrália, embora rota não seja explorada

SÃO PAULO - A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou ter fechado um acordo para elevar o número de freqüências semanais entre o Brasil e a Austrália. A medida dobra o número de autorizações para vôos de ida e volta semanais entre os dois países para 14.

Valor Online |

Segundo a Anac, com essa medida, os passageiros terão mais opções de vôos e facilidades para adquirir bilhetes para viagens entre os dois países. O aumento nas freqüências vale para vôos mistos, que fazem o transporte tanto de passageiros como de carga. As freqüências permitidas para o transporte exclusivo de cargas também foram elevadas de 3 para 7 por semana.

Hoje, nenhuma companhia aérea opera vôos diretos entre o Brasil e a Austrália. Segundo a Anac, porém, o novo acordo permite que sejam feitas escalas em outros países nessas rotas (com exceção dos EUA), além de autorizar que sejam operadas em forma de parcerias comerciais operacionais (code share) entre companhias brasileiras e estrangeiras. Se operada no sistema de code share, a rota então pode conter inclusive operações com paradas em território dos EUA.

A expectativa da Anac é que a ampliação da capacidade e a possibilidade de code share incentivem o turismo e as relações comerciais entre os dois países, estimulando a concorrência e, conseqüentemente, a queda nos preços das passagens, afirmou o diretor da Anac, Ronaldo Seroa da Motta.

Segundo a agência, a realização dos vôos nessa rota dependerá do interesse e da estratégia comercial de cada companhia aérea. A Anac afirma que não é sua função impor rotas ou estabelecer tarifas, apenas criar condições para o desenvolvimento do mercado.

A agência também deixará a cargo das companhias interessadas a definição de cidades em que pretendem operar na rota Brasil-Austrália. A única exceção é o aeroporto de Guarulhos, que por conta das restrições operacionais vigentes, não pode receber nenhuma nova rota.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG