LONDRES (Reuters) - As ações européias subiram nesta terça-feira, impulsionadas por bancos e petróleo, mas fecharam bem abaixo das máximas do dia depois que bolsas norte-americanas foram para território negativo à medida que os temores sobre a economia ofuscaram as medidas governamentais para combater a crise financeira global. Segundo dados preliminares, o índice FTSEurofirst 300 subiu 3,06 por cento, para 966 pontos, após ter subido 6,5 por cento no pico do dia.

A valorização ocorreu após o salto de 10 por cento da última sessão, o maior ganho percentual da história do índice.

As ações de companhias ligadas a petróleo e de bancos subiram nesta terça-feira. Os papéis da BP, da Royal Dutch Shell e da Total subiram entre 6,6 e 7,3 por cento.

Os ativos de bancos se valorizaram à medida que os governos por toda a Europa forneceram garantias para o setor bancário golpeado pela crise. Enquanto isso, o governo norte-americano anunciou planos para comprar participações acionárias em instituições financeiras.

Os papéis do Barclays dispararam 14,3 por cento, os do UBS saltaram 12 por cento, os do Standard Chartered subiram 10,5 por cento e os da Société Générale tiveram valorização de 8,2 por cento.

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em alta de 3,23 por cento, a 4.394 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX avançou 2,7 por cento, para 5.199 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 subiu 2,75 por cento, para 3.628 pontos.

Em MILÃO, o índice Mibtel encerrou em alta de 3,46 por cento, a 17.717 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou valorização de 2,7 por cento, para 10.224 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 teve avanço de 4,46 por cento, para 7.229 pontos.

(Reportagem adicional de Atul Prakash e Rebekah Curtis)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.