Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ações do Fed não vão dar combustível para inflação, diz Bernanke

SÃO PAULO - O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, tornou a defender nesta quarta-feira as medidas recentemente tomadas pelo órgão para revitalizar o mercado de crédito e, assim, impulsionar a atividade econômica. Tempos extraordinários pedem medidas extraordinárias, resumiu ele, em discurso.

Valor Online |

Bernanke se referia às iniciativas do Fed além dos cortes na taxa de juros, como o uso de seu balanço patrimonial para prover liquidez aos bancos, adquirir títulos de dívida de empresas e fazer acordos com bancos centrais de outros países. De acordo com ele, o Fed pode reverter rapidamente as medidas recentes, assim que as perspectivas econômicas melhorarem.

"O risco de crédito associado com nossas políticas não-tradicionais é excepcionalmente baixo e, ao monitorar cuidadosamente nosso balanço e ao desenvolver ferramentas para usar as reservas bancárias conforme o necessário, estamos assegurando que essa política acomodativa pode ser revertida no tempo apropriado para evitar riscos de inflação futura", afirmou.

Assim, Bernanke procurou rebater as críticas de que, ao ampliar a injeção de dinheiro no mercado, com o tempo o Fed acabaria por alimentar as pressões inflacionárias. Ele reconheceu que as ações recentes da autoridade monetária elevaram as reservas bancárias, mas argumentou que boa parte delas é recolhida do mercado e depositada junto ao Fed. "Neste ponto, com a fraca atividade econômica global e os preços de commodities em níveis baixos, vemos pouco risco de uma inflação inaceitavelmente alta no curto prazo", disse Bernanke. "De fato, esperamos que a inflação seja bem baixa por algum tempo."
Bernanke também adiantou que o Federal Reserve passará a divulgar projeções oficiais para inflação, crescimento e emprego nos próximos cinco anos, começando hoje mesmo, na divulgação da ata da última reunião de seu colegiado. A ideia é ajudar a balizar as expectativas da sociedade quanto à economia e o futuro dos preços.

Leia mais sobre Fed

Leia tudo sobre: fed

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG