Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ações avançam na Ásia, mas temor com situação econômica pesa

Por Rafael Nam HONG KONG (Reuters) - Algumas bolsas de valores da Ásia conseguiram fechar em alta nesta sexta-feira, depois de sinais encorajadores de algumas empresas de tecnologia, como a IBM.

Reuters |

Os mercados registraram o primeiro ganho semanal em sete semanas. A alta desta sexta-feira foi impulsionado pelo comportamento de Wall Street na véspera, quando o Dow Jones subiu mais de 4 por cento.

Mas os investidores continuam preocupados com a possibilidade de uma recessão global, o que garantiu bastante volatilidade aos mercados ao longo da semana.

"Ainda existe nervosismo no mercado sobre a economia real, mas os termos de composição dos preços agora são bons", afirmou Nagayuki Yamagishi, estrategista do Mitsubishi UFJ Securities, no Japão.

"Os problemas econômicos são o tema principal do mercado agora e todo mundo sabe disso, portanto, os aumentos serão limitados", acrescentou.

O índice MSCI da região Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, chegou a subir durante o horário de pregão na Ásia, depois de ter tombado 8 por cento na quinta-feira.

O índice ganhou cerca de 1 por cento na semana, a primeira valorização semanal desde o final de agosto.

O tom de sexta-feira foi ajudado por alguns sinais encorajadores de lucros. A IBM informou na quinta-feira que espera atingir suas previsões de lucro de longo prazo.

O índice Nikkei da bolsa de valores de Tóquio teve alta de 2,8 por cento, recuperando-se depois de ter caído 11,4 por cento na quinta-feira, sua maior perda desde a quebra de 1987.

O mercado em Cingapura registrou queda de 3,73 por cento, enquanto o principal índice chinês, de Xangai, subiu 1,08 por cento.

Mas outros importantes índices da região caíram. As ações negociadas na Coréia do Sul e Taiwan perderam mais de 2 por cento cada. A bolsa de valores australiana perdeu 1,06 por cento, enquanto a bolsa de Hong Kong caiu mais de 4 por cento e o índice da bolsa da Índia tombou 5,73 por cento.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG