(Atualiza e acrescenta dados com a informação remetida à Bolsa de Londres) Londres, 19 nov (EFE).- Os acionistas do banco Lloyds TSB aprovaram hoje a compra por 12,2 bilhões de libras (15,527 bilhões de euros) de seu concorrente Halifax Bank of Scotland (HBOS), que desabou na bolsa em setembro, vítima da crise financeira, informou o primeiro à Bolsa de Londres.

Os acionistas apoiaram por maioria de 95% a proposta do Conselho de Administração em uma reunião em Glasgow (Escócia), na qual também se votou sobre uma ampliação de capital com ajuda de fundos do Estado.

A fusão de Lloyds TSB e HBOS, que deverá ser aprovada também pelos acionistas do segundo banco em 12 de dezembro, criará o maior grupo financeiro do Reino Unido.

Segundo os termos da aquisição, estipulados, e renegociados posteriormente, com mediação do Governo - o que permitirá evitar o regulador da concorrência-, os acionistas do HBOS receberão 0,605 ações de Lloyds TSB por cada uma das suas.

Isto significa calcular o valor do HBOS em função de sua cotação da bolsa de ontem, em cerca de 4,3 bilhões de libras (5,117 bilhões de euros), muito abaixo do valor de 12,2 bilhões de libras (mais de 15 bilhões de euros) atribuídos em setembro, quando se iniciou a operação.

Os acionistas também votaram a favor da ampliação de capital necessária para realizar a fusão, no marco do plano de resgate financeiro proposto pelo Governo britânico para enfrentar crise financeira.

Ambos os bancos precisavam arrecadar um total de 17 bilhões de libras (20,23 bilhões de euros) através da emissão de ações preferenciais, que serão adquiridas pelo Executivo, e ordinárias, que o Estado comprará se os acionistas não o fizerem.

O Lloyds TSB submeteu hoje à votação de seus acionistas a emissão de 2,6 bilhões de títulos ordinários a um preço de 1,733 libras cada um, com os quais pretende arrecadar 4,5 bilhões de libras (5,67 bilhões de euros), que se somarão ao 1 bilhão de libras (1,26 bilhão de euros) que pagará o Governo pelo mesmo número de ações preferenciais.

Por sua parte, o HBOS oferecerá a seus acionistas títulos ordinários por um total de 8,5 bilhões de libras (10,115 bilhões de euros), a 1,136 libras cada um, enquanto espera arrecadar outros 3 bilhões de libras (3,57 bilhões de euros) com os preferenciais.

Se o conjunto de acionistas não responder a estas ofertas - o que é provável, já que o preço requerido é muito superior ao valor atual das ações, de 1,185 libras e 0,643 libras, respectivamente -, o Governo acabará possuindo 43,5% da empresa resultante, Lloyds Banking Group.

Os conselhos de administração de ambos os bancos pediram a seus acionistas que aprovem a fusão - que esperam finalizar em meados de janeiro -, apesar de o Governo da Escócia e influentes financiadores escoceses terem se oposto, porque significará o desaparecimento do histórico Halifax Bank of Scotland.

O presidente do Lloyds TSB, Victor Blank, disse hoje que a compra do Halifax "marca um marco" para o banco e na indústria dos serviços financeiros.

A decisão da junta do Lloyds TSB, que tinha sido antecipada pelo mercado, depende agora do que determinem em 12 de dezembro na cidade inglesa de Birmingham, os acionistas de HBOS.

Nesse sentido, o presidente do HBOS, Dennis Stevenson, lhes advertiu na sexta-feira passada que se rejeitarem a nacionalização, rejeitarão também a compra, que seu principal sindicato, Accord, apontou também como única opção viável para enfrentar a crise. EFE jm/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.