Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ação da Petrobras segura Ibovespa em território positivo

SÃO PAULO - Com cerca de dois papéis em baixa para cada um em alta, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) luta para permanecer em alta nesta segunda-feira. Depois de um breve passeio pelo terreno negativo, por volta das 12h45, o Ibovespa ganhava 0,38%, aos 39.

Valor Online |

522 pontos, com giro financeiro em R$ 1,69 bilhão.

Em Wall Street, o pregão é indefinido, com os agentes à espera de uma solução para as montadoras nos EUA. Há pouco, Dow Jones aumentava 0,18% e o Nasdaq perdia 0,30%. Na sexta-feira da semana passada, o Tesouro anunciou que poderia garantir recursos para o setor depois que senadores falharam em fechar um acordo para prover US$ 14 bilhões à indústria automobilística.

O segmento financeiro também está no foco, com agentes atentos à divulgação de prejuízos relacionados à fraude de mais de US$ 50 bilhões elaborada pelo ex-presidente da Nasdaq Bernard Madoff.

O esquema de Madoff, que administrava recursos de terceiros, consistia em uma pirâmide financeira, que envolvia grandes rentabilidades para os investidores iniciantes, pagas com o dinheiro dos investidores mais antigos. Santander, Royal Bank of Scotland, BNP Paribas estão entre os afetados.

No câmbio, a moeda norte-americana segue avançando ante o real, mas opera longe das máximas da manhã. Há pouco, o dólar valia R$ 2,378 na venda, apreciação de 0,50%. Conforme operadores, a semana concentra saídas de recursos de diversas empresas podendo somar mais de US$ 1,4 bilhão. O comportamento do dólar também dependerá da disposição dos investidores em continuar reduzindo suas posições compradas (apostas contra o real) no mercado futuro.

De volta à Bovespa, o economista da UM Investimentos, Hersz Ferman, chama atenção para o bom desempenho do setor de commodities, que segura uma perda mais acentuada do índice.

Em linha com a valorização no preço do petróleo, o papel PN da Petrobras subia 4,77%, a R$ 23,68, e ON aumentava 4,34%, para R$ 28,80. O barril WTI ganha valor no mercado externo em função da expectativa do resultado do encontro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) nesta semana.

Com o segundo maior volume negociado, Vale PNA tinha elevação de 1,67%, para R$ 25,47. Entre as siderúrgicas, Gerdau PN registrava alta de 1,12%, a R$ 16,25.

Ferman chama atenção para o bom desempenho da Bovespa na semana passada. O índice ganhou mais de 11% no período mesmo com uma seqüência de notícias negativas. " Isso pode ser uma indicação de que chegamos ao fundo do poço em termos de preço. "
Ainda de acordo com o especialista o investidor parece menos avesso ao risco e uma indicação disso é a continuidade do movimento de troca de posições entre setores defensivos, como energia e telecomunicações, por outros mais arriscados, como construção e varejo.

O economista também lembra que os agentes operam na expectativa da decisão de juros do Federal Reserve (Fed), banco central norte-americano, na terça-feira. Segundo Ferman, o custo do dinheiro deve cair de 1% para 0,5% ao ano nos EUA.

Somando instabilidade, acontece, hoje, o vencimento de opções sobre ações. Os investidores também se preparam para o exercício do Ibovespa futuro, na quarta-feira.

De volta ao âmbito corporativo, as ações PN da TIM Part seguem perdendo valor. Há pouco, o ativo era negociado a R$ 4,24, queda de 5,77%. NET PN recuava 3,79%, a R$ 14,44, e Copel PNB desvalorizava 3,72%, a R$ 25,32.

Em linha com os pares internacionais, os bancos voltam a operar em baixa. Bradesco PN recuava 0,98%, a R$ 25,10, Itaú PN caía 1,66%, negociado a R$ 29,49, e as units do Unibanco cediam 3,15%, a R$ 16,27.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG