Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Abipecs: volume exportado de suínos cai 26% e receita cresce 21%

São Paulo, 09 - Pela primeira vez nos últimos quatro meses as exportações de carne suína tiveram uma retração em volume, em comparação ao mesmo período do ano passado. Os embarques do mês de agosto somaram 48,08 mil toneladas, volume que representa uma queda de 25,9% em relação a agosto de 2007 e retração de 14,3% sobre as exportações de julho.

Agência Estado |

"A queda de agosto não preocupa, pois em 2007 a exportação foi muito expressiva", diz Pedro de Camargo Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs). Apesar da queda em volume, as exportações de carne suína de agosto mantiveram o desempenho positivo em receita. Os embarques do mês passado somaram US$ 148,3 milhões, aumento de 21,3% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Com o desempenho do mês passado, as exportações brasileiras de carne suína totalizam ao longo do ano 374,8 mil toneladas, volume que representa uma queda de 4,2% sobre os oito primeiros meses do ano passado. Em receita, as vendas totais já acumulam US$ 1,02 bilhão, aumento de 34,9% em comparação à receita das exportações no mesmo período de 2007. "Continuamos sustentando que as exportações em 2008 deverão superar em volume as do ano passado. Em renda, elas serão significativamente superiores, em virtude do maior preço médio", afirma Camargo Neto.

Em agosto, a tonelada da carne suína exportada pelo Brasil teve um preço médio de US$ 3.086, valor que supera em 63,7% o preço médio de agosto do ano passado. Na média anual, o valor do produto nacional também apresenta crescimento e está atualmente em US$ 2.735 por tonelada, 40,8% superior ao acumulado dos oito primeiros meses de 2007.

Segundo Camargo Neto, o mercado interno continua muito firme, sustentado pelo fortalecimento do poder aquisitivo e pela elevação do preço da carne bovina. Ele lembra que alguns destinos deixaram de ser atraentes em função da valorização dos preços no mercado interno. "As empresas não apresentam estoques excedentes, pois as vendas para este período do ano vão muito bem. Também no campo, os suínos têm sido encaminhados prontamente para o abate, não existindo sobra de animais", afirma.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG