Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Abcsem alerta para aumento do uso de sementes piratas

São Paulo, 07 - O diretor executivo de Sementes da Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (Abcsem), Álvaro Peixoto, alerta para a expansão do uso de sementes piratas na agricultura brasileira. Segundo ele, em comunicado divulgado hoje, a associação informa que tem notado, nos últimos anos, um aumento no número de casos de associados que tiveram suas marcas pirateadas no campo.

Agência Estado |

Inclusive, dois deles, envolvendo grandes empresas do País.

Peixoto alerta que as sementes falsificadas ou reaproveitas de colheitas anteriores não contam com um controle de qualidade genético e físico (germinação e pureza) e não são tratadas, podendo ser agentes difusores de doenças. "Para o agricultor, as perdas podem ser muito grandes, principalmente, se estiverem infectadas com algum patógeno; assim, haverá baixa produtividade, perdas comerciais por falta de padrão de frutos, além do risco de ter a área contaminada com pragas", alerta.

A associação explica que as sementes falsificadas, de origem e cultivar desconhecidas, procuram imitar alguma variedade ou híbrido comercial das empresas. Estes produtos são comercializados ilegalmente, algumas vezes, com embalagens falsificadas, imitando as originais. Segundo Peixoto, as sementes piratas são vendidas no mercado negro como "híbridos de última geração".

De acordo com a associação, outra forma de pirataria é a venda ilegal de sementes salvas, feita pelo próprio produtor. "Há sempre aquele que acaba vendendo parte de sua produção de sementes, não fiscalizadas e sem controle de qualidade, para o vizinho e outros agricultores por um preço abaixo de mercado. Esta prática também é considerada pirataria. Ao contrário daqueles que salvam suas sementes para uso em sua própria lavoura, algo aceito e regulamentado por lei", comenta Peixoto. A associação, que fomenta o desenvolvimento do comércio de sementes e mudas de hortaliças, frutas e plantas ornamentais, encaminha as denúncias de pirataria ao Ministério da Agricultura, que adota as providências previstas na lei.

Conscientização

Atualmente, a associação promove uma campanha de conscientização contra o uso de sementes "piratas", com foco principalmente em culturas como pimentão e melancia, que são as mais visadas. "O nosso intuito é alertar o produtor de hortaliças sobre os riscos do uso destes materiais. Ele acaba atraído pelo preço baixo das sementes oferecidas e depois só colhe prejuízos", afirma Peixoto no comunicado.

Nesta semana, o Ministério da Agricultura informou que o volume de apreensões de sementes piratas foi recorde em 2008. Embora o dado mais recente inclua o período acumulado de janeiro a outubro, a fiscalização coordenada pelo Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas, da Secretaria de Defesa Agropecuária, resultou na instauração de 171 processos em 2008, contra 103 em 2007 e 71 processos em 2006. O governo informou ainda que as maiores apreensões do produto ilegal foram realizadas no Mato Grosso, Goiás e Paraná.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG