Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

¿A crise não nos assusta¿, diz Lula em seu pronunciamento de fim de ano

BRASÍLIA - ¿A crise não nos assusta¿, disse o presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o pronunciamento de fim de ano, feito em cadeia nacional nesta segunda-feira. O assunto principal foi situação financeira mundial e seus efeitos no Brasil. Segundo o presidente, que citou a palavra crise 11 vezes em seu discurso, o País ¿não só vencerá a crise, como sairá dela mais forte¿.

Redação |

Lula destacou o caráter único da atual crise, que nasceu e explodiu no coração do mundo desenvolvido e não em algum país da periferia. Segundo ele, o que causou essa situação foi a falta de controle do sistema financeiro dos países mais ricos, cujos bancos em vez de cumprirem seu papel na economia viraram um grande cassino.

Após expor os problemas econômicos mundiais, o presidente disse que no Brasil não tivemos este tipo de crise. Lula defendeu a saúde do sistema bancário brasileiro e ainda ressaltou que a crise coincide com nosso melhor momento. Somos um dos países mais preparados para enfrentar este desafio, afirmou.

O presidente relembrou as crises anteriores que atingiram o Brasil. Na opinião de Lula, antigamente, o País quebrava e era obrigado a pedir socorro ao FMI. Desta vez, o Brasil não quebrou, nem vai quebrar, sentenciou. A justificativa veio na sequência: soubemos fazer as opções acertadas e aceleramos o crescimento da economia em bases consistentes.

A inflação sob controle, a diminuição da dívida pública, diversificação das exportações e as grandes reservas em moedas internacionais foram apontadas pelo presidente como algumas das opções acertadas.

Sobre as medidas para conter os impactos da crise, Lula disse que estamos agindo em todas as frentes desde que a crise começou e recomendou que quem o estivesse assistindo não tenha medo de consumir com responsabilidade.

O presidente terminou por desejar um feliz natal e um 2009 melhor que 2008 às famílias brasileiras. Veja abaixo a íntegra do discurso:

"Minhas amigas e meus amigos,

Esta noite quero conversar com vocês sobre a crise econômica mundial. É uma crise muito diferente das anteriores. Não surgiu num país emergente ou na periferia do sistema. Ao contrário, nasceu e explodiu no coração do mundo desenvolvido. Mais precisamente, nos Estados Unidos e na Europa.

Esta crise, que afeta todo o mundo, foi provocada pela falta de controle do sistema financeiro nos países mais ricos. Em vez de cumprirem seu papel na economia, financiando o setor produtivo, os bancos viraram um grande cassino.

A jogatina foi longe, mas, um dia, a conta chegou. Bancos quebraram, um grande número de empresas entrou em dificuldades e milhões de trabalhadores perderam suas casas ou seus empregos.

Aqui no Brasil não tivemos este tipo de crise. Nosso sistema bancário estava e está saudável. Nossa economia, arrumada e organizada vem crescendo a taxas robustas, as maiores dos últimos 30 anos.

Portanto, a crise coincide com nosso melhor momento. É uma pena, mas como estamos muito bem, a situação é menos complicada. Todos concordam que somos um dos países mais preparados para enfrentar este desafio.

Nas crises anteriores, em poucos dias o Brasil quebrava e era obrigado a pedir socorro ao FMI. Desta vez, o Brasil não quebrou, nem vai quebrar. Esta enfrentando a situação de cabeça erguida.

Enquanto a maioria dos países ricos está em recessão, o Brasil vai continua crescendo. É verdade que, com o vento a favor, poderíamos ir mais longe. Mas, mesmo com o vento contra, podemos e vamos seguir progredindo.

Se hoje estamos em melhores condições para enfrentar qualquer crise, é porque soubemos fazer as opções acertadas. É porque aceleramos o crescimento da economia em bases consistentes. E crescemos distribuindo renda e reduzindo as desigualdades entre as regiões.

Em primeiro lugar, mantivemos a inflação sobre controle. Quando assumi o governo, a inflação estava acima de 9% . Foi declinando ano a ano. Em 2008, mesmo com a explosão dos preços internacionais, ela vai ficar dentro da meta.

Também diminuímos a dívida pública. Em 2003, ela representava 52% do PIB. Foi caindo e este ano deve ficar em 36%.

Além disso, diversificamos nossas exportações. Viajei pelo mundo afora, como um verdadeiro mascate dos nossos produtos. Alguns nos criticaram. Mas hoje, quando os Estados Unidos e a Europa estão no olho do furacão, vemos como foi acertada a decisão de diversificar nossas relações comerciais.

Minhas amigas e meus amigos, outra vantagem são as nossas grandes reservas em moeda internacional. Quando assumimos, o Brasil devia muito ao FMI  e ao Clube de Paris. Hoje, não deve um só centavo.

Naquele tempo, nossas reservas em moeda estrangeira eram muito baixas. Hoje chegam a 207 bilhões de dólares. Com isso, deixamos de ser devedores para ser credores internacionais. Uma diferença e tanto. Agora temos um colchão de segurança para nos proteger.

Mas nossa maior defesa hoje é a força do mercado interno. Ele fez progressos extraordinários nos últimos anos. Para isso, foram decisivos o Bolsa-Família, a melhoria do salário mínimo e a expansão do emprego.
De 2003 para cá, o salário mínimo cresceu em termos reais, 51% e o emprego também cresceu fortemente.

Em 2007, batemos um recorde: 1 milhão 812 mil novos empregos com carteira assinada. Em 2008, novo recorde: até outubro, 2 milhões 148 mil empregos. Resultado: a taxa de desemprego caiu de 12,3% em 2003 para 7,6% em outubro de 2008.

Nosso desenvolvimento econômico e social fez com que, nos últimos anos, mais de 20 milhões de pessoas entrassem na classe média.
Tudo isso fez a roda da economia girar mais forte e abriu um círculo virtuoso no nosso país. Mudamos de cara e de astral.

Minhas amigas e meus amigos, esses avanços estão permitindo ao Brasil enfrentar com firmeza e serenidade o atual momento.

E estamos agindo em todas as frentes desde que a crise começou. Já adotamos medidas para normalizar o crédito, para apoiar nossas empresas exportadoras e para manter a atividade nos setores que geram mais empregos, como as pequenas e médias empresas, a agricultura, a construção civil e a indústria automobilística. Reforçamos o poder de fogo dos bancos estatais e baixamos impostos para que as empresas e os consumidores pudessem ter um pouco mais de dinheiro em caixa e no bolso.

Ao mesmo tempo, o governo manterá todos os investimentos previstos no PAC, e nos programas sociais.  Em hipótese alguma, haverá cortes nos investimentos governamentais. Porque eles são decisivos para o Brasil enfrentar a crise e sair dela mais reforçado.

Minhas amigas e meus amigos, quero dizer, com toda a serenidade, que a crise não nos assusta. O país está preparado e tem comando. Seguiremos acompanhando com lupa a situação da economia, 24 horas por dia.  O que tiver que ser feito, será feito. No tempo certo e na dose adequada. E sempre dialogando com o país. Mas é fundamental que todos façam sua parte. É importante que os empresários sigam investindo. É imprescindível que os trabalhadores defendam a produção e o emprego. Já o setor financeiro, deve trabalhar para estimular o crédito e baixar os juros, que estão muito altos.

E você, meu amigo e minha amiga, não tenha medo de consumir com responsabilidade. Se você está com dívidas, procure antes equilibrar seu orçamento. Mas, se tem um dinheirinho no bolso ou recebeu o décimo terceiro, e está querendo comprar uma geladeira, um fogão ou trocar de carro, não frustre seu sonho, com medo do futuro.

Porque se você não comprar, o comércio não vende. E se a loja não vender, não fará novas encomendas à fábrica. E aí a fábrica produzirá menos e, a médio prazo, o seu emprego poderá estar em risco.

Assim, quando você e sua família compram um bem, não estão só realizando um sonho. Estão também contribuindo para manter a roda da economia girando. E isso é bom para todos.

Minhas amigas e meus amigos, posso assegurar que o Brasil não só vencerá a crise, como sairá dela mais forte. Temos todas as condições para isso. Em 2009, vamos começar a explorar as imensas reservas do pré-sal. Com isso, o Brasil passará a ser um dos grandes produtores de petróleo do mundo. Estamos todos no mesmo barco. E se remarmos juntos na mesma direção, venceremos as turbulências e prosseguiremos na rota do crescimento. Só depende de nós.

Um feliz natal para você e para sua família. Que 2009 seja um ano ainda melhor que 2008. Que seja um ano de saúde, de paz e de prosperidade.

Acredite no Brasil porque antes de tudo, você estará acreditando em você. 

Boa noite."

Leia mais sobre: Lula - crise econômica

Leia tudo sobre: lula

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG