Presidente do IBGE esclarece que pesquisa não indica fome para 35%

Famílias que recebem até R$ 1.772 gastam em média mais do que ganham, divulgou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Neste universo encontram-se 68% dos lares brasileiros, segundo mostra a Pesquisa de Orçamentos Familiares (2008-2009). A POF anterior, de 2002-2003, mostrava que as contas no vermelho abrangiam uma faixa de renda ainda maior, na qual participavam 85% das famílias brasileiras.

"Temos um orçamento mais equilibrado em relação à POF anterior. O aumento do emprego e da renda nos últimos anos está dando maior fôlego orçamentário para as famílias", afirmou o presidente do IBGE, Eduardo Nunes.

Apesar da melhora, cerca de 75% das famílias investigadas pelo IBGE relatam alguma dificuldade para cobrir todos os gastos. O percentual de famílias que avaliam ter muita dificuldade para fechar as contas no azul diminuiu de 27,2% para 17,9% no período entre as pesquisas. Nesta parte da POF, a pessoa que responde pela família faz uma avaliação subjetiva do assunto, sem qualquer base técnica.

Nesta avaliação subjetiva, o IBGE perguntou também às famílias sobre a quantidade de alimentos consumidos. Cerca de 64% dos entrevistados avaliaram que o volume de produtos consumidos é suficiente para a a alimentação da família, num dado melhor que o coletado na POF 2002-2003, quando 53% relataram o mesmo. Mas 35% avaliam que a quantidade de alimentos consumidos ainda está aquém das necessidades do lar.

IBGE esclarece: pesquisa não indica fome para 35%

O presidente do IBGE esclarece que a pesquisa não indica que 35% das famílias passam fome. "Essa pesquisa tem caráter subjetivo. Nós perguntamos às famílias se a quantidade de produtos desejados são consumidos, mas isso não significa que se elas não consomem aquele determinado produto vão passar fome. Se eu não posso comprar determinada quantidade de um produto, sou obrigado a fazer outra escolha, é isso que a pesquisa mostra", afirmou Nunes, após a apresentação da POF.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.