Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

3G pode mudar a forma de uso da internet

3G pode mudar a forma de uso da internet Por Filipe Serrano e Bruno Galo São Paulo, 23 (AE) - Com um telefone compatível com as redes de terceira geração, você faz praticamente tudo que já utiliza no computador, mas na tela pequena do celular e em qualquer lugar. Por exemplo, quer ver seus e-mails, ler sites de notícia, bater papo no MSN, acessar o Orkut, consultar mapas, assistir a vídeos do YouTube, checar horários de cinema, procurar restaurantes e, em alguns casos, pagar contas no site do banco? Essas são algumas das opções ao usar a internet no seu celular.

Agência Estado |

Basicamente, é o que a maioria das pessoas faz no computador, não é mesmo? E com a conexão 3G, a velocidade fica mais rápida, em média de 500 kilobits por segundo (Kbps), cerca de 10 vezes uma internet discada. Portanto, se você é um usuário que vê vantagem em utilizar esses serviços pelo telefone porque pode acessá-los mesmo quando estiver longe do computador, então o 3G vale a pena.

O coordenador de suporte técnico Antônio Flávio Medeiros de Paiva, de 29 anos, por exemplo, comprou no começo do ano um Nokia N95 de olho nas funcionalidades do aparelhinho, mas acabou se surpreendendo foi com a conexão 3G. "É muito prático e rápido", garante. "Acesso o meu e-mail, faço videochamada, além de pesquisar endereços e lugares", conta.

Paiva, que trabalha como coordenador de suporte técnico, ainda pode escolher a forma que julgar mais conveniente para acessar a rede. É que o seu celular 3G funciona também como modem permitindo a navegação por meio do seu laptop.

Porém, as inegáveis vantagens do 3G não seduz a todos. O gerente de tecnologia, Paulo Tostes dos Santos, de 30 anos, é um deles. "O 3G é legal, mas ele oferece uma série de funcionalidades que não são essenciais", diz Santos que não pretende trocar o seu BlackBerry Curve 8300, por um iPhone 3G, já que segundo ele o smartphone da marca canadense é o mais indicado para usuários corporativos.

DESAFIOS - As operadoras e empresas que produzem sites e serviços para celular sabem que a maioria das pessoas prefere utilizar a internet em casa, na tela grande do computador. Por isso, o grande desafio agora é criar novos serviços que façam as pessoas quererem usar as redes 3G.

"Uma nova leva de telefones com telas grandes, como o iPhone e o HTC Diamond, estará no mercado em pouco tempo e eles permitirão consumir conteúdos multimídia com qualidade e facilidade muito maiores. Mas o verdadeiro e bom uso do 3G ainda não foi descoberto. Só vão surgir serviços úteis para celular quando tivermos uma grande quantidade desses aparelhos nas mãos das pessoas, daqui a 2 ou 3 anos", afirma Michael King diretor de pesquisas sobre o mercado de celular da consultoria Gartner.

Ele cita por exemplo o site norte-americano Yelp.com, uma espécie de guia de restaurantes, vida noturna, hotéis, etc. cujas avaliações são escritas pelos membros. "O celular poderia identificar onde você está para encontrar restaurantes próximos que tenham o seu gosto", diz.

Quando serviços assim estiverem disponíveis, consultar uma informação na internet pelo celular será tão comum quanto fazer uma ligação. E será difícil ouvir uma pessoa, mesmo avessa à tecnologia, dizer que só quer usar o telefone para fazer chamadas.

O publicitário Clóvis Romero Machado Filho, de 27 anos, que acaba de voltar de Nova York com um iPhone 3G, já teve uma experiência dessas. Ele estava em uma casa noturna nos EUA com uma amiga americana, quando ela disse que queria ir a um determinado restaurante. "Não sabia como chegar no lugar", lembra. "Aí ela falou: ‘Me empresta o seu iPhone’. Ela entrou no Google Maps e pronto. Foi tudo muito fácil", conta Machado.

BANDA LARGA - O 3G por enquanto tem se destacado como alternativa à banda larga residencial. Você pluga no computador um modem com um chip de celular interno e está conectado à web. A velocidade de conexão, que fica em média de 500 Kbps, não é tão boa quanto às do Vírtua ou do Speedy (por volta de 2 Mpbs), mas é uma opção para quem mora em bairros onde as empresas não atuam ou para quem precisa conectar o notebook mesmo fora de casa.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG