Tamanho do texto

Segundo o estudo do Banco Mundial, no Brasil, há discriminação com base no gênero ou no estado civil no acesso ao crédito, o que desfavorece, principalmente, as iniciativas de empreendedorismo feminino no país

Brasil Econômico

No caso específico da mulher negra, a desigualdade salarial chega a 50% do salário dos homens
Arquivo/Agência Brasil
No caso específico da mulher negra, a desigualdade salarial chega a 50% do salário dos homens

Um estudo divulgado pelo Banco Mundial na última segunda-feira (14) revela que, se houvesse redução da desigualdade salarial entre homens e mulheres , o Produto Interno Bruto (PIB) poderia crescer em 3,3%, o que equivale a R$ 382 bilhões.

Leia também: MPF denuncia patroa por submeter doméstica a trabalho escravo e ameaças de morte

A conclusão é da pesquisa Mulheres, Empresas e o Direito 2018: Igualdade de Gênero e inclusão econômica , que analisou o impacto da legislação na inclusão econômica das mulheres a fim de estimular reformas legislativas e políticas públicas, como a diminuição da desigualdade salarial , voltadas à promoção de igualdade de gênero .

Entre os mais de 16 países analisados estava o Brasil que, segundo a pesquisa, avançou na questão de gênero nos últimos 10 anos, mas que ainda tem leis que impedem a plena participação econômica das mulheres.

O relatório do Banco Mundial analisou sete aspectos: acesso às instituições, uso de propriedade, acesso ao emprego, incentivo ao trabalho, acesso aos tribunais, acesso ao crédito e proteção da mulher contra a violência.

Leia também: Pesquisa aponta que 30% das mulheres saíram do emprego após a maternidade

Caso brasileiro

Entre os pontos destacados como “fortes” no Brasil está a não limitação à capacidade jurídica das mulheres, ou à liberdade de movimento, ou de direitos iguais à propriedade e herança que possam afetar sua inclusão econômica.

Por outro lado, o Brasil ainda peca em não prever licença parental, igualdade de remuneração para o trabalho masculino, trabalho dos pais em regime flexível, discriminação com base no gênero ou no estado civil no acesso ao crédito. Esse último ponto, de acordo com o relatório, desfavorece principalmente o empreendedorismo feminino.

Leia também: Pesquisa revela que 59% dos brasileiros fizeram compras por impulso em fevereiro

Desigualdade de gênero e racial

De acordo com a especialista em gênero do Banco Mundial, Paula Tavares, a questão da desigualdade salarial é ainda mais problemática quando é analisada sob o ponto de vista racial, caso em que a mulher se torna ainda mais vulnerável socialmente.

“Em todos os países do mundo, e principalmente no Brasil, a questão da raça ainda é um elemento que torna a mulher mais vulnerável. No Brasil, por exemplo, a renda média da mulher [independente da cor da pele] é equivalente a cerca de 75% da renda do homem para cargos equivalentes. Mas, no caso específico da mulher negra, essa diferença aumenta e chega a 50% do salário dos homens”, analisa.

Tavares ainda lembrou que apenas 8% das mulheres ocupam cargos de liderança nas empresas do País e que uma das medidas que ajudaria a combater não só essa questão da participação, mas também da diminuição da desigualdade salarial seria a adoção da política de cotas. “No Canadá, por exemplo, há cinco anos foi adotada essa medida e, em mais ou menos quatro anos, o país conseguiu aumentar a participação de 18% para 25%”, aponta.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.