Situação foi registrada em um garimpo de ouro no Amapá; as investigações iniciadas em 2015 resultaram em 11 mandados de prisão pela Polícia Federal

Brasil Econômico

Garimpo em que trabalhadores extraíam ouro em situações análogas à escravidão
Divulgação
Garimpo em que trabalhadores extraíam ouro em situações análogas à escravidão

A operação Minamata, deflagrada pela Polícia Federal (PF), identificou 16 trabalhadores em situação análoga à escravidão em um garimpo de ouro no Amapá. Eles eram obrigados a repassar parte de seus lucros à cooperativa e aos donos da lavra. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (1º) na sede da PF em Macapá.

Leia também: Brasil aumenta exportações e bate recorde de superávit da balança comercial

As investigações que levaram aos trabalhadores em situação análoga à escravidão foram iniciadas em 2015, após uma ação do Ministério do Trabalho em que foram encontrados vários trabalhadores em situações degradantes, sendo explorados por donos de garimpos e uma cooperativa fraudulenta. 

Após a ação de auditoria realizada pelo ministério, foi criada uma força-tarefa que contou com a participação de diversos orgãos, posteriormente havendo a deflagração por parte da PF da investigação sobre exploração e comercialização ilegal de ouro. O trabalho resultou em 11 mandados de prisão, apreensão de documentos e interdição de áreas irregulares.

Leia também: Muçulmana é obrigada a tirar véu para entrar em unidade do McDonald's

“Identificamos, em duas ações realizadas, graves problemas trabalhistas, de degradação e de segurança e saúde, inclusive com a constatação de morte de trabalhadores nas frentes de trabalho nos últimos anos no local. Encontramos uma cooperativas fraudulenta que lucra com a exploração dos trabalhadores cooperados”, explicou a auditora-fiscal do Trabalho Jamile Freitas durante a coletiva.

A cooperativa será notificada pelo Ministério do Trabalho sobre as irregularidades que foram encontradas. Além disso, os empregadores também serão identificados para que os trabalhadores resgatados pelo Grupo Móvel possam ser indenizados.

Força-tarefa

Os órgãos qeu participaram da força-tarefa na investigação foram o Ministério do Trabalho, o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Ministério Público federal (MPF), a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

Leia também: Resultado do PIB mostra trajetória de crescimento do País, avalia Meirelles

“Quero que os trabalhadores tenham a certeza de que o combate ao trabalho escravo é uma política pública permanente que continuará recebendo toda a atenção deste Ministério”, afirmou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, sobre os trabalhadores em situação análoga à escravidão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.