Segundo pesquisa, diferença na taxa de desocupação entre trabalhadores negros e não negros ficou mais acentuada entre os anos de 2015 e 2016

Brasil Econômico

O impacto da crise econômica e da alta dos níveis de desemprego foi maior entre a população negra . De acordo com dados divulgados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), entre 2015 e 2016, a taxa de desocupação entre os negros aumentou de 14,9% para 19,4%. Por outro lado, subiu de 12% para 15,2% entre os não negros.

Leia também: Pontos polêmicos da reforma trabalhista serão alterados por Medida Provisória

Assim, a diferença entre os dois grupos, que era de 2,9 pontos percentuais passou para 4,2 pontos percentuais em apenas um ano. Além do desemprego , o estudo destaca a desvantagem salarial dos trabalhadores negros. Em geral, eles recebem apenas 67,8% do que ganham os brancos. Ou seja, a média salarial dos não negros é quase 50% maior. Uma das razões dessa diferença é a maior presença de brancos nas funções de melhor remuneração.

Segundo pesquisa, desemprego aumentou em ritmo maior para os negros do que para os não negros
shutterstock
Segundo pesquisa, desemprego aumentou em ritmo maior para os negros do que para os não negros

Leia também: Feirão Limpa Nome já promoveu mais de 350 mil renegociações em cinco dias

A pesquisa mostra que há uma inserção mais intensa dos negros em segmentos em que os salários são tradicionalmente mais baixos, como construção, trabalho autônomo e doméstico. Ao mesmo tempo, em cargos com rendimentos maiores, como indústria, alguns ramos dos serviços, setor público e profissionais universitários autônomos, a presença é mais rara.

Nível de escolaridade

De acordo com o levantamento, o padrão de escolaridade explica esse aspecto. Em 2016, o tempo médio de estudo de toda a população a partir dos 25 anos de idade era de 10,2 anos. A média dos negros (9,2 anos), no entanto, foi quase dois anos mais curta que a dos não negros (10,8 anos). A diferença se amplia consideravelmente quando são considerados os profissionais com curso superior.

Enquanto apenas 10,6% dos negros completaram a faculdades, o índice sobre para 25,6% entre os não negros. Essa defasagem explica a baixa participação de negros em cargos de chefia e mostra dois obstáculos a enfrentar: o de chegar ao ensino superior e, quando isso ocorre, o de crescer na carreira.

Leia também: Companhia aérea indenizará passageira por não servir refeição judaica em voo

Como lembra o Dieese em análise sobre os níveis de desemprego nos dois grupos, as diferenças já foram maiores e têm caído com o aumento do padrão de escolaridade do conjunto da população. A melhoria é percebida com maior vigor entre os negros, cujo tempo médio de estudo aumentou em três anos de 2000 a 2016. No mesmo período, o índice entre os não negros registrou alta de 1,7 ano.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.