Otimizar os resultados das empresas em crise ou saudáveis financeiramente, porém que almejam melhorar sua performance é um dos objetivos do OBZ

Brasil Econômico

Orçamento Base Zero é  um método viável para a diminuição de gastos de empresas de todos os tipos
iStock
Orçamento Base Zero é um método viável para a diminuição de gastos de empresas de todos os tipos

Desenvolver corretamente o orçamento de uma empresa é uma tarefa árdua no ambiente corporativo . Ainda mais quando elaborado em cima de dados e eventos históricos, muitas vezes ineficientes, que podem gerar uma falta de comprometimento do time operacional, já que os resultados se tornam inviáveis pela falta de planejamento e excesso de informações não condizentes. Entretanto, há um método capaz de reverter essa lógica tradicional: o Orçamento Base Zero (OBZ).

Leia também: Cenário econômico positivo faz ACSP revisar crescimento do varejo este ano

Definido como uma ferramenta que alinha a estratégia da empresa ao planejamento e controle financeiro, dentro de um determinado período, o Orçamento Base Zero é feito a partir de uma base zerada, ou seja, sem levar em consideração as receitas, custos, despesas e investimentos de exercícios anteriores.

Otimizar os resultados das empresas em crise ou saudáveis financeiramente, porém que almejam melhorar a performance por meio do conhecimento do que é de valia ou não para a entidade é o principal intuito desse método. Além disso, possibilita a rediscussão total do negócio, uma vez que racionaliza cada gasto com o seu respectivo resultado.

A fim de auxiliar na aplicação do método para a melhoria da governança corporativa, o sócio fundador da Peers Consulting, Marcelo Shiramizu explicou os três níveis de implantação do OBZ, interligados ao bom funcionamento da empresa. Confira:

1- Diretrizes Orçamentárias

Nessa fase, o principal fator é o planejamento que proporciona a visão a longo prazo. Sendo anualmente atualizado para os próximos cinco anos, essa ferramenta define as metas de investimentos e as projeções de crescimento da empresa. Aqui, é de extrema importância que haja a discussão de quais serão os impulsionadores de resultados da corporação, bem como a simulação de possíveis cenários que podem ajudá-la a conquistar seu objetivo central. Informações que englobam a estratégia M&A, dividendos, estrutura de capital e price target podem ser usadas nesse passo.

2- Planejamento Orçamentário

Esta etapa é considerada a mais trabalhosa, demandando a estruturação de um plano detalhado, que sirva como orientador para os próximos 12 meses da entidade. A construção do plano deve ocorrer de forma botton-up , ou seja, com todos os gestores da empresa e baseado na composição unitária dos gastos – quantidade versus custo unitário. Desse modo, todos os gastos devem ser questionados e justificados através da real necessidade da empresa.

Leia também: Ministério da Fazenda autoriza alta de 6,12% nas tarifas de serviço dos Correios

3- Execução Diária

No último nível, há o acompanhamento que objetiva assegurar a rigidez, visibilidade, previsibilidade e a identificação de ações compensatórias que podem corrigir as rotas. É necessário que o gestor tenha em mente, que nessa etapa é preciso disciplina e rigidez corporativa, além da dinamização das análises das metas, a divulgação dos resultados alcançados e o incentivo as medidas compensatórias.

Resumidamente, essa fase representa um ciclo de quatro etapas, que devem ser realizadas todos os dias para o sucesso da meta inicial: execução do planejado > acompanhamento e mensuração dos resultados > plano de ações compensatórias > elaboração do forecast .

Aplicação e erros frequentes

O método pode ser utilizado por empresas de todos os segmentos e tamanhos, basta que estimem profissionalizar sua gestão, promover uma cultura de eficiência operacional e reduzir os custos. Entretanto, Shiramizu ressalta que é importante o engajamento de toda a equipe.

Entre os erros mais comuns cometidos pelas instituições estão a gestão do processo por uma equipe que não possui um forte conhecimento funcional do negócio e a falta de alinhamento, objetividade e engajamento dos  stakeholders .  A pouca rigidez no que se diz respeito ao acompanhamento, sem a busca por ações compensatórias e a falta de orientação da equipe em relação as metas estimadas são outras armadilhas que as empresas costumam cair.

Considerado um método eficiente, os primeiros sinais do Orçamento Base Zero tornam-se visíveis rapidamente. Entre alguns deles estão uma maior velocidade nos processos, a otimização de custos e o aumento da motivação do quadro de pessoal , já que proporciona uma iniciativa ampla e a responsabilidade acerca da tomada de decisões.

Leia também: IBGE: cai o número de trabalhadores em grandes empresas e PMEs se sobressaem

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.