Segundo o Ibre/FGV, indicador ficou em 0,68% no terceiro trimestre deste ano; no segundo trimestre, inflação para este grupo estava em 0,50%

Brasil Econômico

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, registrou no terceiro trimestre deste ano uma alta de 0,68%. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), a inflação para este grupo acumula alta de 3,53% em 12 meses.

Leia também: Volume de impostos pagos no Brasil tem aumento de 8% em 12 meses

Com a alta registrada entre julho e setembro, o IPC-3i terminou o mês com variação acima da taxa acumulada pelo Índice de Preços ao Consumidor Brasil (IPC-BR), que mede a variação do custo de vida para a maior parte da população do país. O IPC-BR registrou alta de 3,17% no mesmo período. A inflação para terceira idade, especificamente, registrou acréscimo de 0,18 ponto percentual na comparação com o segundo trimestre.

No acumulado para 12 meses, inflação para idosos está em 3,53%; para o restante da população, índice está em 3,17%
Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil
No acumulado para 12 meses, inflação para idosos está em 3,53%; para o restante da população, índice está em 3,17%

Leia também: Vendas do varejo registram queda de 0,5% no mês de agosto, diz IBGE

De acordo com o levantamento, três das oito classes de despesa que compõem o índice apresentaram alta na comparação com o trimestre anterior. O principal responsável pela alta foi o grupo Transportes, que passou de -0,52%, entre abril e junho, para 3,14%, entre julho e setembro. O componente que mais influenciou o comportamento dessa classe de despesa foi a gasolina, que apresentou variação de 11,98% no terceiro trimestre, ante -3,16 do trimestre anterior.

Também contribuíram para a elevação do IPC-3i os grupos Habitação, passando de 0,4% para 1,08%, e Educação, Leitura e Recreação, de 0,08% para 1,42%. O primeiro foi influenciado, especialmente, pelo comportamento dos preços da tarifa de eletricidade residencial, de -2,46% para 3,80%. Já a segunda classe teve interferência da variação de preços de passagens aéreas, de -8,04% para 16,62%.

Por outro lado, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais, que passou de 2,7% para 1,21% entre dois trimestres; Vestuário, de 1,18% para 0,62%; Comunicação, de 0,75% para 0,40%; e Despesas Diversas, de 1,16% para 0,74% contribuíram com retrações para o resultado do IPC-3i.

Leia também: FMI eleva projeção de crescimento da economia brasileira em 0,7%

Neste caso, os itens que forçaram para baixo a inflação para pesoas da terceira idade foram, respectivamente, medicamentos em geral, de 3,43% para -0,23%; hortaliças e legumes, de 4,84% para -16,26%; roupas, de 1,58% para 0,82%; mensalidade da TV por assinatura, de 2,86% para 0,54%; e alimentos para animais domésticos, de 4,45% para 1,68%.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.