Por volta das 10h30, o índice apresentava baixa de 0,19%, aos 74.644 pontos, com a atenção dos investidores voltada para o cenário político

Brasil Econômico

Bovespa opera em queda nesta quinta-feira (14), após atingir 75 mil pontos
shutterstock
Bovespa opera em queda nesta quinta-feira (14), após atingir 75 mil pontos

Nesta quinta-feira (14), o índice da Bovespa ( Ibovespa ) opera em queda, após registrar três máximas recordes nos pregões anteriores. Por volta das 10h30, o índice apresentava baixa de 0,19%, aos 74.644 pontos, com a atenção dos investidores voltada para o cenário político brasileiro, devido à possibilidade de uma nova denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer, por suspeita de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na edição de um decreto no setor de portos.

Leia também: Altas históricas no Ibovespa: É hora de partir para os investimentos?

No pregão desta quinta-feira (14), as ações da Vale são negociadas na Bovespa , em ritmo de queda, ao recuarem para 2%, enquanto as ações da JBS apontam um crescimento superior a 5%. Em relação as ações da  Petrobras, houve valorização de 1%.

Recordes

Na segunda-feira (11), o Ibovespa atingiu o máximo histórico, ao avançar 1,7%, aos 74.319 pontos, ultrapassando o valor máximo registrado em maio de 2008, quando bateu a marca dos 73.516 pontos. Com o ocorrido, o índice acumulou ganho anual de 23%, após a valorização de 39% obtida no ano passado.

“Esse evento já era esperado e foi empurrado pela queda da Selic na semana passada, pelo otimismo externo e pela melhora da percepção em relação ao cenário político. Mantemos nossa estimativa de um Ibovespa perto de 90 mil pontos até o final do ano, puxada pela manutenção da inflação baixa, pela queda da taxa de juros, pela recuperação da atividade econômica e pelo cenário externo favorável”, afirmou o economista-chefe da Nova Futura Corretora, Pedro Paulo Silveira.

Leia também: Impostômetro: Brasileiro pagou R$ 1,5 trilhão em impostos este ano

Na cotação de terça-feira (12), a bolsa paulista permaneceu quebrando recordes, com alta de 1,36%, aos 75.332 pontos. Entretanto, decresceu ao longo do dia, fechando o pregão com acréscimo de 0,3%, aos 74.538 pontos. Na quarta-feira (13), o recorde foi renovado, com 74.787 pontos. As ações da JBS foram impactadas negativamente pela prisão do presidente da empresa, Wesley Batista, devido a  investigação acerca da suspeita de uso de informação privilegiada para obtenção de lucros no mercado financeiro.

Influências

Entre os principais fatores que contribuíram para o bom desempenho do índice estão o cenário externo favorável em relação ao fluxo de capital estrangeiro, sinais de recuperação na economia brasileira, dólar em queda,  possível continuidade de queda na taxa básica de juros (Selic) e a recuperação no preço das commodities no mercado internacional, o que impacta positivamente nos papeis de entidades como a Vale e a Petrobras.

 “O retorno esperado de um investimento em empresas (renda variável) precisa ser na média de 20% ao ano. Hoje, estamos longe do recorde real. O índice de quase 75 mil pontos na Bovespa é um recorde nominal, porém, não podemos esquecer da inflação dos últimos nove anos, de aproximadamente 72%. O recorde nominal é bem diferente do recorde real . Podemos dizer que o recorde de verdade, seria próximo dos 130 mil pontos”, conclui o  planejador patrimonial do Grupo GGR, Fernando Marcondes.

Leia também: Economia doméstica: 3 dicas para economizar nos gastos de casa!

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.