A primeira vez em que o Brasil foi elevado à categoria de grau de investimento foi em abril de 2008, pela agência Standard & Poor’s; entenda

Brasil Econômico

Nesta sexta-feira (11), durante a inauguração da primeira usina de etanol feito exclusivamente de milho brasileiro, em Lucas do Rio Verde (MT), o presidente Michel Temer afirmou que o Brasil vai recuperar o grau de investimento do País.

Leia também: Banco Central: indicadores confirmam estabilidade e recuperação da economia

O grau de investimento funciona como um atestado de que os países não correm risco de dar calote na dívida pública
Agência Brasil
O grau de investimento funciona como um atestado de que os países não correm risco de dar calote na dívida pública

“Quando vejo o Risco Brasil, que estava em mais de 470 pontos negativos quando assumi o governo, hoje está em 195 pontos. Portanto caiu sensivelmente e logo, logo, vamos assumir o grau de investimento que perdemos no passado”, disse o presidente.

Leia também: Presidente da Petrobras pede a consumidores que pesquisem preços de combustíveis

Trajetória

A primeira vez em que o Brasil foi elevado à categoria foi em abril de 2008, pela agência Standard & Poor’s. Um mês depois, a Fitch fez o mesmo, incluiu o País no patamar, assim como a Moody’s, em setembro de 2009.

Em setembro de 2015, a Standard & Poor’s retirou o grau de investimento e avaliou o Brasil com uma perspectiva negativa, o que consequentemente abriu caminho para que em fevereiro de 2016 uma nova baixa nota fosse dada.

Vale destacar que em dezembro de 2015 foi a vez de a Fitch diminuir a avaliação do Brasil para um nível abaixo da categoria de bom pagador. A Moody’s repetiu o movimento, diminuindo a nota do Brasil para dois níveis abaixo do grau de investimento em fevereiro de 2016.

Leia também: Mercado aumenta previsão do deficit primário do Governo para R$154,8 bilhões

Medidas

O presidente também aproveitou a ocasião para avaliar as reformas feitas pelo governo e os novos índices de criação de empregos dos últimos meses. “A aprovação do teto dos gastos públicos, foi fundamental para as nossas finanças. Apanhamos o País numa das piores recessões dos últimos tempos. O primeiro passo foi combater a recessão e, debelada a recessão, caminhar para o desenvolvimento”, disse.

Assim como Temer se mostrou otimista com o grau de investimento no discurso da cerimônia, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi , também se mostrou esperançoso, pois ressaltou que embora ainda percebamos a crise, o Brasil já apresenta melhoras, pois os empregos começaram a apresentar melhoras.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.