Segundo a OMC, crescimento da economia depende do fechamento de gargalos de infraestrutura e também da solução de questões trabalhistas

Brasil Econômico

OMC acredita que retomada da economia brasileira será mantida em ritmo lento durante um grande período
shutterstock
OMC acredita que retomada da economia brasileira será mantida em ritmo lento durante um grande período

A Organização Mundial do Comércio (OMC) divulgou, nesta segunda-feira (17), um relatório em que afirma que a economia brasileira terá uma recuperação gradual em 2017, mas o crescimento será fraco por um período prolongado. Com base na análise, incerteza política e desequilíbrios fiscais estão entre os fatores que tornam a economia brasileira mais vulnerável.

Leia também: Liberação de contas inativas do FGTS foi usada para pagar dívidas, diz governo

“Apesar dos fundamentos econômicos sólidos, os riscos negativos para a perspectiva econômica permanecem. A economia continua vulnerável a uma intensificação da incerteza política, bem como a atrasos na resolução dos desequilíbrios fiscais”, afirma a OMC .

Ainda de acordo com a organização, um crescimento sustentável depende da implementação de reformas estruturais em várias áreas. O crescimento da economia também depende do fechamento de gargalos de infraestrutura e da solução de questões trabalhistas e previdenciárias. “Essas reformas podem aumentar a resiliência da economia brasileira”, diz o documento.

Leia também: Dívidas de empresas inadimplentes chega a R$ 119,2 bilhões

As projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontadas no relatório indicam que o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) deverá crescer 0,5% neste ano, 1,5% em 2018 e 2% entre 2019 e 2021. A inflação deve ficar em 6,1% em 2018 e estabilizar em cerca de 5% depois disso, segundo o documento. O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu a meta de inflação em 4,5% para 2018, 4,25% para 2019 e de 4% para 2020, com intervalo de tolerância é 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para a organização, o Brasil entrou em uma severa recessão em 2015 e 2016, desencadeada pela deterioração das relações comerciais e exacerbada pela incerteza política. A queda no PIB foi acompanhada pelo aumento da inflação e do desemprego. Embora o sistema financeiro brasileiro não tenha sido significativamente impactado pela desaceleração econômica, o crédito doméstico tornou-se mais cauteloso e a demanda por empréstimos diminuiu, segundo o relatório. O Ministério da Fazenda disse que não vai comentar o relatório.

Leia também: Reforma trabalhista torna educação financeira obrigatória, diz especialista

Criação de empregos

Uma das questões que podem indicar a recuperação gradual citada pela OMC é o crescimento dos postos de trabalho. Em junho, o Brasil registrou a criação de 9.821 vagas de emprego, o que representa variação positiva de 0,03% na comparação com maio. Foi a terceira expansão consecutiva e a quarta registrada este ano, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.