Usada como testes, primeira etapa do sistema permitirá documentos acima de R$ 50 mil; pagamentos de qualquer valor começam em 11 de dezembro

Brasil Econômico

Os boletos vencidos poderão ser pagos em qualquer banco a partir desta segunda-feira (10). De acordo com o planejamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a opção será adotada de forma gradual e contará com a ajuda de uma plataforma de cobrança que permite a quitação de boletos em atraso em qualquer agência bancária. A novidade estará disponível para documentos de valor igual ou superior a R$ 50 mil.

Leia também: Confira sete passos para acabar com as dívidas e manter as contas em ordem

Em uma segunda etapa, em 11 de setembro, o valor mínimo para pagamento de boletos vencidos em outros será reduzido para R$ 2 mil. A partir de 9 de outubro, o valor mínimo dos documentos cai para R$ 500, e, em 13 de novembro, para R$ 200. Em 11 de dezembro, os pagamentos de todos os valores passarão a ser aceitos em qualquer banco.

Bancos deixarão de aceitar pagamentos de boletos que não contarem com a identificação do pagador
Arquivo/Agência Brasil
Bancos deixarão de aceitar pagamentos de boletos que não contarem com a identificação do pagador

Leia também: Inflação negativa: entenda o que é deflação e quais são seus efeitos na economia

A nova plataforma que será usada pelos bancos permitirá a identificação do CPF ou do CNPJ do pagador, o que deve facilitar o rastreamento de pagamentos. Quando um documento é quitado, o próprio sistema irá verificar as informações. Se os dados coincidirem com os da plataforma, a operação é validade. Caso contrário, o pagamento só poderá ser feito no banco de origem da operação.

Conforme as datas de adoção da nova plataforma e as faixas de valores, os bancos deixarão de aceitar pagamentos sem a identificação do pagador. Os clientes sem esses dados serão contatados pelos bancos para refazer os documentos. Segundo a Febraban, o sistema de cobrança funciona há mais de 20 anos e precisava ser atualizado. A previsão inicial era que o novo sistema entrasse em vigor em março para valores acima de R$ 50 mil, mas teve que ser adiado.

Leia também: Entenda por que os trabalhadores não recebem aumento de salário no Japão

Ainda de acordo com a federação dos bancos, a mudança nas datas de implantação no novo sistema ocorreu para garantir a alimentação da plataforma de cobrança em todas as instituições financeiras. A entidade afirma ainda que a nova plataforma ser implantada gradualmente pelo grande volume de boletos bancários. Todos os anos são emitidos, em média, 3,5 bilhões de documentos do tipo no país.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.