Vendas menores, clientes insatisfeitos e ticket médio abaixo do desejado são apenas alguns dos indícios observados em curto prazo, diz especialista

Brasil Econômico

De acordo com a Coach, especialista em educação Corporativa e gestora de Recursos Humanos (RH) da Sociedade Brasileira de Coaching, Raquel Castro, um dos grandes desafios de uma empresa é conquistar, desenvolver e manter sua equipe engajada durante a execução das atividades profissionais.

Leia também: Metade dos empregadores brasileiros têm vagas abertas por falta de qualificação

Especialista aponta que um dos grandes desafios de uma empresa é conquistar, desenvolver e manter sua equipe engajada durante a execução das atividades profissionais
Shuttersock
Especialista aponta que um dos grandes desafios de uma empresa é conquistar, desenvolver e manter sua equipe engajada durante a execução das atividades profissionais

Raquel Castro define que um colaborador engajado é aquele que participa voluntariamente das demandas da organização, propõe soluções, ideias e críticas com foco na melhoria contínua da empresa . A especialista ressalta que, em 2015, a consultoria Deloitte elaborou uma pesquisa, com 2,5 mil líderes de RH de 94 países, e revelou que, apenas 13% dos colaboradores são engajados.

“Vendas menores, clientes insatisfeitos e ticket médio abaixo do desejado são apenas alguns dos indícios observados em curto prazo quando a empresa varejista tem baixo engajamento de seus colaboradores. Se pensarmos em longo prazo, o resultado pode ser catastrófico”, alerta a coach sobre as consequências.

É essencial que o líder perceba rapidamente o deficit de engajamento dos seus colaboradores. Com isso Raquel aponta três dicas que podem ajudar o gestor a avaliar como está a sua equipe:

Leia também: Empreendedorismo: veja histórias de quem já faliu e hoje fatura milhões

Dica 1

Você já percebeu uma torcida velada para acabar a luz no shopping ou acontecer alguma coisa que livre do trabalho? Caso a respostas seja sim, saiba que uma equipe realmente engajada não procura subterfúgios para se livrar do trabalho que precisa ser feito.

Dica 2

Há integração na equipe? Caso haja “panelinhas”, fofoca e bullying no time saiba que esses elementos não permitem uma organização produtiva – e lucrativa – para a companhia. Profissionais sem melindres, interessados no sucesso do negócio são essenciais. “Quando a equipe se enxerga como tal, deixando interesses pessoais em segundo plano, o resultado positivo vem para todos, naturalmente”, pondera.

Dica 3

Antes de buscar tal postura da equipe, o próprio gestor deve ter o comportamento. Raquel Castro aponta que o líder é a peça-chave para o aumento do engajamento de uma equipe, e isso se baseia em notar o desejo de crescimento na empresa dos funcionários e a credibilidade nos critérios de avaliação da empresa.

Como resolver?

O engajamento da equipe, segundo a especialista, pode ser desenvolvido por meio do líder com aptidões técnicas, ferramentas e conhecimento acadêmico, mas, acima de tudo, com troca de experiências e estudos de casos. Raquel Castro é uma das responsáveis pelo programa Mentoria Excelência Operacional no Varejo, que utiliza tal metodologia, e ressalta que, na ação, o mentorado recebe todo o conhecimento e é orientado a seguir a teoria na prática durante a semana na empresa.

Leia também: Indústria registra crescimento em apenas cinco estados em abril, diz IBGE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.