Sem a renúncia do presidente Michel Temer, mercado teme que as reformas não sejam aprovadas e fala em rever as perspectivas de crescimento; veja

O novo embaraço no cenário político afetará de forma significativa a economia brasileira e retardará a retomada do crescimento. A incerteza trará uma nova leva de pessimismo no consumidor, que pode segurar os gastos e fazer com que os indicadores econômicos apresentem nova queda no próximo trimestre.

Leia também: Economia emperra após acusações contra Michel Temer, diz especialista

Presidente Michel Temer em pronunciamento:
Valter Campanato/Agência Brasil - 18.5.17
Presidente Michel Temer em pronunciamento: "Não renunciarei". Economia sofre com nova crise


Na opinião do professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EESP), Joelson Sampaio, a nova rodada de insegurança com o cenário político, após as denúncias de corrupção contra o presidente Michel Temer, vai resultar em queda da confiança. “Quando o cenário econômico se desestabiliza o consumidor se retrai. Ele começa a conter seus gastos, já que passa a se preocupar com o futuro, se terá emprego, se a empresa em que trabalha consegue passar pelo pior”, afirmou em entrevista ao Brasil Econômico.

Sampaio explicou que, a perspectiva é que os indicadores comecem a apresentar menor crescimento, já que a instabilidade resulta em fuga de investimentos, sejam eles internos ou externos. “Os investidores migram para países em que a estabilidade está presente e fogem dos locais que mostram insegurança”, disse.

O primeiro reflexo das denúncias que apontam indícios de corrupção por parte do presidente da República, Michel Temer, foi a queda da bolsa e a alta do dólar, explicou o economista da FGV. “Depois das publicações o dólar teve alta de 8% e a bolsa de valores queda de 8%. Essa reação mostra como o mercado se comporta em economias instáveis”.

Após fotos, gravações e o depoimento do presidente da JBS, Joesley Batista, indicarem que Temer comprou o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha , toda a perspectiva positiva que Brasil tinha em relação a seus principais indicadores financeiros – inflação, emprego, Produto Interno Bruto (PIB), devem ser revistos por consultorias, economistas e até pelo governo, caso ele não consiga reverter o quadro atual. “Não vamos ter mais os mesmos resultados vistos na última semana. Isso vai retardar a recuperação da econômica prevista”, explicou.

Leia também: BC anuncia terceira intervenção no mercado de câmbio nesta quinta-feira

 Governabilidade

Mais do enfrentar um pessimismo geral, Temer tem que agir para conseguir manter a governabilidade, situação essa que se não for acertada, resultará em uma total desestruturação de sua gestão e por consequência, a não aprovação das reformas trabalhista e previdenciária, tão aguardada por diversos setores da economia. “As reformas eram a sinalização da retomada econômica do País. Agora, após todo o que aconteceu, será necessário ele reverter à situação para conseguir”, explicou Sampaio.

A expectativa do mercado era que Temer renunciaria ao cargo, porém, em pronunciamento na tarde desta quinta-feira (18), ele afirmou veementemente que não vai renunciar e afirmou que seu governo viveu o melhor e o pior momento. “Quero deixar muito claro, dizendo que o meu governo viveu, nesta semana, seu melhor e seu pior momento. Os indicadores de queda da inflação, os números de retorno ao crescimento da economia e os dados de geração de empregos, criaram esperança de dias melhores. O otimismo retornava e as reformas avançavam, no Congresso Nacional”, disse Michel Temer em pronunciamento.

Pressão

Entidades setoriais já sinalizaram preocupação em relação a esse tema. Por meio de nota, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) afirmou que era de pensar no País. “A Abimaq, entidade que representa cerca de 7500 empresas do setor de bens de capital mecânicos, esclarece que independente do momento atual vivido no Brasil, o Poder Legislativo precisa dar continuidade à agenda de reformas, Previdenciária, Trabalhista, Tributária e da medida provisória 774 que trata do PRT – Programa de Recuperação Tributária (Refis)”.

Para o professor de FGV , Joelson Sampaio, haverá pressão de entidades e empresas com relação às reformas. “A aprovação da Reforma da Previdência traria um ajuste fiscal melhor ao País e a trabalhista uma flexibilização pedido por diversos setores”, evidenciou o economista.

As incertezas atuais trazem apenas uma certeza em relação à economia na opinião de Sampaio. “Tudo o que aconteceu vai retardar o crescimento econômico e o fim da recessão  no País”.

 Leia também: Banco Central diz que decisões sobre Selic não podem ser antecipadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.