Confira como os personagens de Matt Groening te ensinam a não procrastinar demais e nem a agir por impulso no mundo dos negócios

Você já assistiu Os Simpsons? Se a resposta é sim, provavelmente reconhece nomes como o da Lisa, a garota estudiosa e inteligente, e Homer, aquele homem preguiçoso que gosta de esperar sentado no sofá. Por mais que sejam personagens de uma animação, essas características são reais e podem, não só fazer parte de aspectos pessoais, mas também de um empresário ou qualquer outro profissional.

Leia também: Veja 5 dicas sobre empreendedorismo para decolar com fim da crise econômica

Procrastinação, sensação de injustiça e impulsividade: saiba como agir de acordo com cada uma dessas características, empresário
Reprodução
Procrastinação, sensação de injustiça e impulsividade: saiba como agir de acordo com cada uma dessas características, empresário

Pensando nisso, a coach de imagem e reputação, Nathana Lacerda, listou algumas individualidades – que inclui qualidades e defeitos – dos principais personagens de Matt Groening que podem ajudar o empresário a se identificar e a agir de acordo com o seu perfil para alavancar o seu empreendedorismo.

Lisa Simpson

O que pode ter de errado na garota inteligente e gentil de Springfield? Bom, de acordo com Nathana, geralmente as pessoas intelectuais sempre acreditam que podem aprender mais. E que, embora isso seja verdade, a real problemática nessa característica, é que elas sempre acham que a carga acumulada de aprendizado não é o suficiente.

O medo de serem julgadas às faz sempre estarem no modo de “preparo”, esperando a conclusão de um curso, para só depois colocar as ideias em prática. “Quem se encaixa neste perfil precisa entender a máxima de que: feito é melhor do que perfeito”, avalia a especialista.

O fato de não se colocar em ação, faz com que a pessoa com o perfil Lisa Simpson simplesmente assista os outros ao seu redor – sem conhecimento – influenciando a sociedade. Caso se identifique com esse perfil, a especialista recomenda a importância de ter um cronograma inegociável com o seu projeto para que a procrastinação não volte.

Bart Simpson

Ao contrário de Lisa, Bart é aquele empresário que dá a cara pelos negócios e que não costuma pensar nas consequências de seus atos. O garoto seria aquele que faz de tudo para gerar buzz na internet em prol do avanço da audiência nas redes sociais, e que acredita que deve opinar sobre tudo. Antes de dar o “enter” e postar algo, o empresário que possui esse perfil mais impulsivo, precisa entender se aquilo faz parte da imagem empresarial que quer passar, e se há conexão com seus negócios e clientes. Tendo apenas os objetivos em mente para superar o outro.  

Homer Simpson

Sabe aquela pessoa que fica sentada no sofá o tempo todo e só reclama? O empreendedor com as características do Homer, segundo Nathana é aquele que sempre se vitimiza pelas baixas e terceiriza a culpa de seus fracassos para a crise, a concorrência, as ferramentas ou mercado. Ou seja, sem qualquer accountability.

Deixar o acaso resolver é o caminho para a falência. E a especialista ressalta que, quando se trata de um empresário da área digital, essa postura é ainda pior, uma vez que o segmento se renova constantemente e um acompanhamento é essencial para garantir a adaptação e flexibilização dos negócios.

Leia também: Abalo: confiança da MPE tem queda de 5,2% em março, avalia SPC Brasil

Marge Simpson

Embora o ambiente seja de competição, uma postura mediadora e equilibrada como a da Marge Simpson pode ser muito benéfica, “entretanto, jogar para todos os lados e só agradar ao outro não te leva longe”, explica Nathana.

Indo para o lado das mídias digitais, a especialista avalia que grandes influenciadores do mercado costumam opinar sobre determinados assuntos e defendem seus ideais sem desrespeitar pontos de vista contrários. E relembra que competição não necessariamente é um ambiente de guerra, e que cooperações com outras entidades podem ser muito bem vistas, sim.

Maggie Simpson

“A caçula da família Simpson é aquele empresário que está começando a expor suas ideias e projetos no mercado, mas que ainda não tem autoridade e reconhecimento”, afirma a especialista. E por conta disso, esse período deve ser visto como o momento de investimento em ferramentas que ajudem a construir essa imagem do empreendedorismo. Repare que na animação Maggie está o tempo todo observando os outros, esse passo é muito importante, mas tome cuidado para não cair na procrastinação de Lisa Simpson.

Leia também: Cinco dicas para mudar de carreira sem traumas nem transtornos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.