Número de ocupados também teve recorde ao somar 53,4% até fevereiro, sendo o pior resultado apurado pelo IBGE na série histórica do indicador

Brasil Econômico

O Brasil tem 13,5 milhões de desempregados, informou o IBGE
iStock
O Brasil tem 13,5 milhões de desempregados, informou o IBGE


A taxa de desemprego no Brasil atingiu 13,2% no trimestre encerrado em fevereiro, informou nesta sexta-feira (31) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), foi apurada uma alta de 1,3 ponto percentual na comparação com o trimestre anterior, sendo a maior taxa de desocupação no País da série histórica do indicador iniciada em 2012.

Leia também: Veja 10 direitos dos trabalhadores em caso de demissão sem justa causa

Com o resultado, o Brasil tem 13,5 milhões de pessoas desocupadas e teve alta de 11,7%, ou seja, mais de 1,4 milhão de pessoas quando comparada ao trimestre encerrado em novembro de 2016. Na comparação com igual trimestre de 2016, a alta foi de 3,2 milhões no número de desempregados no País, informou o IBGE.

Outro indicador que teve recorde na série história da pesquisa do Pnad foi o nível de ocupação – que mede o percentual da população empregada em idade de trabalhar. A taxa de ocupação foi de 53,4% no trimestre encerrado em fevereiro, o que representa queda de 0,7 frente ao trimestre anterior. Já a comparação com o mesmo período de 2016, o nível de ocupação apresentou retração de 1,8 ponto percentual, sendo o menor índice desde 2012 no País.

O número de brasileiros enquadrados em “fora da força de trabalho” foi de 64,6 milhões no trimestre encerrado no mês de fevereiro. O resultado mostra estabilidade na comparação com o trimestre diretamente anterior, encerrado em novembro. Já na comparação anual o contingente de brasileiros fora da força de trabalho apresentou alta de 1,1%, ao somar 730 mil pessoas nessa situação.

Leia também: Operação Carne Fraca: JBS anuncia férias coletivas após queda nas vendas

Carteira assinada

O IBGE apurou ainda os dados dos brasileiros que estão no mercado de trabalho, sendo contratados com carteira assinada. No trimestre encerrado em fevereiro deste ano apontou 33,7 milhões de pessoas registradas no País, o que representa um recuo ao se comparar com o trimestre encerrado em novembro de 2016. Ou seja, 337 mil registros em carteira a menos no período. Na comparação anual esse número é bem maior e chega a 1,1 milhão.

No trimestre encerrado em fevereiro de 2017, a categorias dos empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada, que atualmente soma 10,3 milhões de pessoas, ficou estável em relação ao trimestre anterior e cresceu 5,5% (ou mais 531 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2016.

O número de trabalhadores por conta própria, que hoje soma 22,2 milhões de pessoas, ficou estável na comparação com o trimestre anterior e recuou 4,8%, ou 1,1 mil pessoas a menos em relação ao mesmo trimestre de 2016.

O contingente de empregadores, que ao total são 4,1 milhões de pessoas, ficou estável frente ao trimestre anterior e cresceram 9,5%, ao somar 359 mil pessoas em relação ao mesmo período de 2016. A categoria dos trabalhadores domésticos, estimada em 6,0 milhões de pessoas, se manteve estável em ambos os trimestres comparativos, informou o IBGE.

Leia também: Veja 10 concursos públicos que encerram inscrições em abril

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.