Procon autuou 34 estabelecimentos entre os dias 8 e 24 de março; segundo o órgão, principais problemas foram irregularidades com os produtos usados

Brasil Econômico

O Procon de São Paulo informou nesta segunda-feira (27) ter autuado 34 salões de beleza de luxo na capital paulista. Realizada pelo órgão ligado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo entre os dias 8 e 24 de março, a operação Vênus constatou irregularidade em todos os casos. As investigações ocorreram em estabelecimentos localizados em bairros nobres de São Paulo, como Jardins e Moema, por exemplo.

Leia também: Conheça cinco ferramentas para economizar em viagens corporativas

De acordo com o Procon, o principal problema foi a utilização de produtos sem prazo de validade ou com esta informação apagada (27%). Em 25% dos casos, foi constatada a utilização de produtos vencidos, e em 23% deles, os salões de beleza  prestavam serviços ou exibiam produtos sem informações de preço ou com preço disposto de forma irregular.

Procon-SP constatou irregularidades com data de vencimento dos esmaltes usados por salões de beleza de luxo
Shutterstock
Procon-SP constatou irregularidades com data de vencimento dos esmaltes usados por salões de beleza de luxo

Leia também: Concessionária da Peugeot vai indenizar ajudante filmada ao trocar de roupa

Entre os estabelecimentos autudos, está o Jassa Cabeleireiros e Cosméticos , conhecido por atender o apresentador Silvio Santos. Segundo o Procon-SP, o salão utilizava e vendia esmaltes vencidos, além de vender itens sem informações de preço. A prática de não informar o valor correto do item fere o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

O MG Hair Design , de propriedade do cabeleireiro Marco Antônio de Biaggi utilizava e vendia esmaltes e produtos para cabelo fora do prazo de validade ou sem informações deste tipo. O local também não fornecia o preço dos serviços de forma clara para os clientes, como exige o CDC.

O Spa Dios utilizava esmaltes vencidos e sem dados como lote, validade e composição. O local também não deixava visível os preços dos produtos à venda. O Estúdio W Cabeleireiros , o Soho e o Retrô Hair utilizavam esmaltes vencidos ou sem informações sobre prazo de validade e fornecedor nos serviços prestados. De acordo com o Procon, o último também vendia produtos fora do prazo de validade.

Respostas dos salões de beleza

Apenas o Studio W se posicionou sobre o ocorrido. Em nota, a empresa afirmou que "tomou ciência dos fatos ocorridos e já adotou as medidas para regularização das ocorrências registradas, a fim de sempre oferecer o melhor serviço e produtos aos seus clientes". O estabelecimento também afirmou estar colaborando com o Procon-SP.

Em resposta ao pedido da reportagem do Brasil Econômico o Spa Dios informou ter sido procurado pelo Procon recentimento e recebeu advertência verbal sobre os seguintes itens: 

- O local onde o Código de Direito do Consumidor deveria estar disponível e orientado a colocar em lugar visível para o cliente; 

- Foi encontrado um esmalte importado vencido e foi orientado a fazer uso de etiqueta no mesmo com a data de abertura;

- Foram encontrados produtos nas prateleiras sem preços e foi orientado a etiquetá-los com os preços correspondentes.

A empresa afirmou que está adequando a operação com todas as solicitações feitas pela Procon-SP e defendeu-se sobre as irregularidades referentes a utilização de produtos sem lote, sem dados de fabricação, validade e de composição sem procedência. "O SpaDios utiliza produtos dentro da legalidade e preza  pela transparência, por isso, as embalagens trazem as devidas informações ao consumidor". 

Em nota, o Retrô Hair afirmou que vai regularizar todos os pontos apontados pelo Procon-SP como prejudiciais aos seus consumidores. “O salão Retrô Hair, em conformidade com a ação realizada pelo Procon-SP, e reafirmando o compromisso com o cliente, informa que todas as ações necessárias para a regularização das ocorrências registradas já foram tomadas. Acreditando na relação de transparência e confiança que temos com o mercado e principalmente com os nossos clientes, convidamos a todos para verificar a validade de todos os produtos utilizados pelos profissionais do salão antes da realização de qualquer serviço".

Leia também: Seis frigoríficos são interditados pelo Ministério da Agricultura; veja quais

Até o fechamento desta matéria, o salão MG Hair não se pronunciou sobre o assunto. O Brasil Econômico não conseguiu contato com os salões de beleza Jassa Cabeleireiros e Cosméticos, e Soho. A lista com todos os salões autuados pode ser acessada por meio deste link .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.