Não tenha medo de se apresentar durante a entrevista. Ela serve justamente para isso; fale todas as suas habilidades e qualidades profissionais

Brasil Econômico

Não é novidade que o brasileiro vem sofrendo com a onda de desocupação gerada pela recessão econômica. A qual, embora tenha se encerrado – de acordo com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles – ainda se alastra no quadro de desemprego do último levantamento do Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com 12,9 milhões de desempregados no País.

Leia também: FGTS inativo: Educador financeiro aponta investimentos e aplicações

Desemprego: Segundo o último levantamento do IBGE, há 12,9 milhões de desempregados no País
iStock
Desemprego: Segundo o último levantamento do IBGE, há 12,9 milhões de desempregados no País

Apesar disso, o mês de fevereiro trouxe boas notícias em relação ao desemprego.  Uma vez que o número de ocupações com carteira assinada ultrapassou as demissões, após 22 meses de variações negativas. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ainda apontaram que houve 1.250.831 admissões, conta 1.215.219 demissões.

E para você ser uma dessas pessoas que compõe o grupo de “admissões”, a headhunter e coach, Luciana Tegon, orienta que é essencial que o candidato saiba as novidades da sua área profissional, afinal nenhuma empresa tem interesse em contratar alguém mal informado para sua equipe.

Uma boa novidade que a especialista traz é que “o mercado de trabalho entende as dificuldades de deslocamento, da crise, e a falta de tempo de quem já trabalha ou está buscando um emprego. O preconceito com diplomas de Ensinos à distância (EAD) vem diminuindo e hoje são vistos com bons olhos aqueles que possuem uma pós-graduação ou uma especialização de EAD. O importante é buscar uma boa instituição e se atualizar sempre que possível”, conclui Luciana Tegon.

Além do EAD, a especialista também elaborou outras dicas para você se destacar da concorrência na busca por um novo emprego:

Se apresente                                                                                 

Durante a entrevista, fale sobre você da forma mais natural e segura possível. É importante para o recrutador conhecer o candidato por inteiro, portanto não tenha medo de falar suas qualidades e habilidades profissionais, além das características pessoais que interfiram na vida profissional.

Atualização constante

Ao finalizar projetos profissionais – sejam remunerados ou não, ou de conclusão de curso, inclua no currículo. O documento deve estar sempre atualizado.

Leia também: Depressão e desânimo atinge 59% dos desempregados, diz SPC Brasil

Idioma

Invista no aprendizado de outra língua. Não é novidade que saber falar inglês para quem visa uma empresa multinacional ou de grande porte é de extrema importância, além de também agregar uma boa visão ao profissional por parte de quem recruta.

Menos é mais

Não trabalhe horas em um currículo com diversas páginas. Os recrutadores buscam sempre nesses documentos leitura fácil e objetiva. Dê prioridade para colocar os grandes projetos no CV e também os cursos que tenham relação com a vaga em questão.

Objetivo e consistente

Trace uma linha do tempo em sua mente com as atividades mais importantes de sua carreira e as fale em um tempo máximo de sete minutos durante a entrevista. Outra dica importante da especialista é não se esquecer de falar sobre os resultados obtidos nessas experiências.

Respostas diferenciadas

Treine diferentes formas para responder uma questão. Desta forma, você pode se destacar dos demais, e não parecerá mais do mesmo. Perguntas clichês não fazem mais parte do roteiro dos recrutadores.

Referências profissionais

Coloque o contato de outras empresas em que você trabalhou. Os recrutadores ligam para elas e buscam informações que podem te ajudar a sair do desemprego. A ação agrega muita credibilidade ao candidato.

Leia também: Postos de trabalho criados em fevereiro foram puxados pelo setor de serviços

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.