Procon-SP divulgou Ranking Estadual das empresas com maior número de reclamações em 2016; Grupo Pão de Açúcar, Vivo e Samsumg estão na lista

Brasil Econômico

Ranking Estadual do Procon-SP aponta que  89% das reclamações do Grupo Pão de Açúcar são  sobre  e-commerce e entrega de produtos
iStock
Ranking Estadual do Procon-SP aponta que 89% das reclamações do Grupo Pão de Açúcar são sobre e-commerce e entrega de produtos

A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania de São Paulo juntamente de 41 Procons Municipais, divulgou o Ranking de Reclamações de 2016, levantamento abrangente as empresas e setores que receberam mais críticas negativas ao longo doa ano.

Leia também: Leilão de aeroportos: Governo estima investimento superior a R$ 6 bilhões

O Ranking Estadual do Procon-SP é composto por 50 fornecedores que mais geraram reclamações fundamentadas, ou seja, demanda dos consumidores que não foram solucionadas em curto prazo, ocasionando assim, a abertura de processos administrativos. Vale ressaltar que dos 894.845 atendimentos entre consultas, orientações e carta de informações preliminares registrados ao longo do ano passado, 55.539 foram reclamações fundamentadas.

A lista também conta com índices de solução, o que possibilita ao consumidor o conhecimento dos fornecedores mais reclamados e suas formas de atendimento e prestação de serviço ao cliente.

Destaques do ranking

Em 2016, o Grupo América Móvil, integrado pelas empresas Claro, Net e Embratel, liderou novamente o ranking, com 4.704 reclamações. Apesar de uma diminuição observada em seus números em comparação a 2015, o grupo piorou seu índice de solução, ao passar de 77% para 74%.

A novidade foi a aparição do grupo Pão de Açúcar, composto pelas operações Ponto Frio, Via Varejo S/A, Pão de Açúcar, Comprebem, Eletro, Companhia Brasileira de Distribuição, Extra Hipermercado e Sé Supermercados Ltda.

Leia também: Confira o que é necessário para ter uma startup de sucesso

É a primeira vez que um grupo varejista aparece entre os destaques das entidades mais reclamadas, à frente de empresas dos segmentos de telecomunicações e instituições financeiras com os piores históricos nos Procons. A maior parte das críticas, com 89%, foi a respeito do funcionamento do e-commerce do grupo, uma vez que a entrega de produtos não estava sendo realizada de maneira adequada.

Ocupando o 3º lugar aparece o Grupo Vivo/Telefônica, com 4.022 registros, resultado crescente em relação às reclamações de 2015. Apesar de manter o 4º lugar da lista, a Tim Celular conseguiu reduzir 28% das reclamações e aumentar o índice de solução em 81%, indo de 2.351 para 1.676.

A Sky Brasil também foi evidenciada no Ranking Estadual, com aumento expressivo na quantidade de reclamações nos Procons Municipais. A empresa passou da 18ª posição no cadastro da capital para 5ª colocação, totalizando 1.533 reivindicações.

Índice de Solução

No ano passado, o Índice de Solução apontou resultado negativo à Associação Paulista dos Beneficiários da Seguridade e Previdência (APABESP/CEPAASP), Associação Brasil de Apoio aos Aposentados, Pensionistas e Servidores Públicos (ASBP/PRODAC) e Associação Nacional da Seguridade e Previdência (ANSP), associações de aposentados que liderarem o setor de serviços privados, com 1.357 demandas não resolvidas, ante a 18 solucionadas.

A Samsung também ficou entre as 10 empresas mais reclamadas de 2016, com o pior índice de atendimento, com 42%. A companhia também surpreendeu negativamente com o aumento de 91% no volume de críticas, passando de 613 para 1.169.

Entre as instituições financeiras mais reclamadas na lista do Procon-SP, o Grupo Bradesco foi a mais demandada, aumentando o número de solicitações e diminuindo o de soluções, ao passar de 63% para 53% em um período de um ano.

Leia também: Reclame Aqui organiza shows de rock em frente às empresas com pior atendimento