Governo volta a usar crédito de bancos públicos para tentar reanimar economia

Por Estadão Conteúdo |

compartilhe

Tamanho do texto

Entre iniciativas estão aumento do limite de crédito para financiamento de imóveis pela Caixa e redução das taxas para obras no BNDES

Estadão Conteúdo

Caixa estima que este ano serão financiadas 64 mil unidades habitacionais a mais que 2015
Divulgação
Caixa estima que este ano serão financiadas 64 mil unidades habitacionais a mais que 2015

O governo deu início a uma nova ofensiva para tentar reanimar a economia com o uso de crédito dos bancos públicos. Na terça-feira (8), a Caixa anunciou que o limite para financiamento de imóveis usados passará de 50% para 70%, e que vai voltar a dar crédito para quem quiser comprar um segundo imóvel. Na segunda-feira (7), o BNDES já havia anunciado a redução das taxas para obras de infraestrutura. Além disso, devem ser aprovadas hoje novas regras para o microcrédito.

O aumento do crédito é tempos uma demanda do Partido dos Trabalhadores há tempos, que acredita ser essa uma forma de criar uma "agenda positiva" e fazer a economia avançar. No caso do BNDES, segundo o secretário executivo do Ministério da Fazenda, "as medidas se justificam para dar mais dinamismo aos investimentos do País”. Na casa própria, o argumento é o mesmo: a presidente da Caixa, Miriam Belchior, estima que este ano serão financiadas 64 mil unidades habitacionais a mais que no ano passado.

Mas há sérias dúvidas entre os analistas se essas medidas vão realmente surtir algum efeito. "As medidas são bastante limitadas. A incerteza elevada na economia e na política reduz muito a eficácia de qualquer política pública. Quem vai investir se não sabe para onde vai o câmbio, os juros? Quem vai comprar casa se há maior medo de perder o emprego?", afirma Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos.

Mas, a despeito dessas avaliações, as iniciativas devem prosseguir e outras medidas do tipo estão no forno. A negociação com governadores para alongar o prazo de pagamento das dívidas, se concretizada, vai abrir espaço para que eles voltem a tomar empréstimos voltados ao investimento.

Na terça, ao receber integrantes da bancada do PT na Câmara, que pressionaram por medidas para combater o desemprego, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, disse que enviará um projeto de lei expandindo os gastos públicos em R$ 9 bilhões. Os recursos serão utilizados para bancar obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que já estão em andamento. O dinheiro depende, porém, da aprovação, pelo Congresso, do projeto de lei que autorizará a redução da meta fiscal deste ano.

Diante do acirramento da crise política, Barbosa orientou a equipe a prosseguir com a elaboração de medidas. Mas se depara com duas muralhas. Na área de estímulo ao crédito, o problema é a falta de confiança. E aquelas que dependem de alteração na lei vão para um Congresso cuja agenda é cada vez mais dominada pelas discussões em torno do impeachment da presidente Dilma. Na frente legislativa, a Fazenda reconhece que a tramitação das propostas vai ficar mais difícil, e a estratégia é intensificar o diálogo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: ECONOMIABancos públicosFinanciamentoCrise

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas