Montadora lamentou o ocorrido, mas declarou não ter responsabilidade sobre a decisão da empresa terceirizada

Os metalúrgicos da Chery, de Jacareí, iniciaram uma greve por tempo indeterminado após assembleia realizada na manhã desta sexta-feira (26).  Eles reivindicam a incorporação dos 40 trabalhadores terceirizados que foram demitidos na quinta-feira (25) pela montadora chinesa. 

Funcionários da Chery iniciaram greve após a demissão de funcionários terceirizados
Divulgação
Funcionários da Chery iniciaram greve após a demissão de funcionários terceirizados

Segundo o Sindicato dos  Metalúrgicos de São José dos Campos e Região , foi iniciado em 2015  um processo de negociação com a Chery pela desterceirização das áreas de logística e manuseio. 

A incorporação dos trabalhadores terceirizados ao quadro de funcionários diretos da empresa foi uma das reivindicações levantadas pelos trabalhadores na greve de abril de 2015 e também é alvo de ação do Sindicato na Justiça do Trabalho. 

Uma reunião para discutir a situação com a diretoria da fábrica estava marcada para acontecer na próxima terça-feira (1º de março), mas o Sindicato afiram ter sido surpreendido pela demissão de todos os terceirizados que trabalhavam no setor.

 “A empresa não poderia ter demitido os trabalhadores em meio do processo de negociação com o Sindicato. Os metalúrgicos são contra a terceirização e exigem a incorporação destes trabalhadores ao quadro da empresa”, disse Guirá Borba de Godoy Guimarães, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos. 

O órgão organizará uma nova assembleia na próxima segunda-feira para que os trabalhadores decidam os rumos da mobilização.

A Chery declarou por meio de nota que “lamenta o desligamento dos funcionários da BMS, empresa de logística que prestava serviços à montadora”, mas informou que “não tem responsabilidade ou gestão sobre a decisão da empresa terceira - o contrato entre ambas foi rescindido em 25 de fevereiro -".

A empresa acrescentou que “não tem poupado esforços para proteger o emprego dos funcionários diretos da sua fábrica em Jacareí (SP), mesmo com o cenário de crise que assola o setor automotivo nacional”, mas “que nunca se comprometeu, junto ao Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, a contratar colaboradores de empresas terceirizadas”.

A montadora disse, por fim, estar “à disposição do Sindicato” para “discutir as reinvindicações da categoria”.

Veja quais são os 10 principais assuntos dos processos trabalhistas no TST


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.