Esperando o fim do protecionismo argentino, Brasil tenta acordo automotivo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo brasileiro fechou acordo semelhante com o Uruguai em dezembro do último ano. Acordo passou a valer em janeiro

Agência Brasil

Brasil fará proposta à Argentina por livre comércio no setor automotivo
Foto: Comunicação Volkswagen do Brasil
Brasil fará proposta à Argentina por livre comércio no setor automotivo


Após Maurício Macri ter se comprometido a retirar barreiras protecionistas, o Brasil apresentará à Argentina proposta de livre comércio para o setor automotivo na próxima quinta-feira, durante encontro do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, com o ministro da Produção argentino, Francisco Cabrera, em Buenos Aires.

Monteiro já havia dito ter expectativa de recuperação do comércio entre Brasil e Argentina sob o governo do novo presidente do país, Maurício Macri. 

Em dezembro, o Brasil fechou acordo automotivo de livre comércio, com o Uruguai, em tratado que prevê 100% de preferência tarifária entre os países no caso de os produtos cumprirem um percentual de conteúdo regional em seus componentes.

Para veículos e autopeças brasileiros, o índice deve ser igual ou superior a 55% e, para os uruguaios, a 50%. Para itens que não cumprirem a regra do conteúdo regional, foi estabelecida uma cota de comércio: US$ 650 milhões para o Uruguai e US$ 325 milhões para o Brasil. O acordo passou a valer em 1° de janeiro.

A Colômbia também já tinha, no ano de 2015, fechado acordo automotivo com o Brasil, que havia renovado tratados comerciais automotivos com México e Argentina. Não se trata, no entanto, de acordos de livre comércio. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior não informou quais serão os termos da proposta brasileira aos argentinos para um tratado de livre comércio.

Leia tudo sobre: Livre comércioAutomotivo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas