Mercado prevê déficit de R$ 68 bilhões nas contas públicas de 2016

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda creem em resultados negativos de BC, Tesouro e Previdência

Agência Brasil

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda esperam que o déficit primário do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) termine este ano em R$ 68,23 bilhões.

Para 2017, a estimativa do mercado ainda é de déficit, porém menor: R$ 30,87 bilhões.
Roberto Stuckert Filho/PR - 21.12.15
Para 2017, a estimativa do mercado ainda é de déficit, porém menor: R$ 30,87 bilhões.

A projeção consta na segunda edição da pesquisa Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Em dezembro, a projeção de déficit primário (despesas maiores que as receitas, desconsiderados gastos com juros da dívida) era R$ 53,07 bilhões. Para 2017, a estimativa de déficit é menor: R$ 30,87 bilhões.

O resultado está bem distante da meta para este ano que é de superávit primário, receitas maiores que despesas, excluídos gastos com juros, de 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) ou R$ 24 bilhões.

A projeção das instituições financeiras para a arrecadação federal, este ano, passou de R$ 1,3 trilhão para R$ 1,29 trilhão. Para 2017, a estimativa é R$ 1,4 trilhão.

A estimativa para a receita líquida do governo central é R$ 1,11 trilhão este ano e R$ 1,2 trilhão, no próximo ano. A expectativa para as despesas é R$ 1,18 trilhão, este ano, e R$ 1,25 trilhão, em 2017.

A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do governo central, que na avaliação das instituições financeiras deve chegar a 74% do PIB, este ano, a mesma projeção divulgada em dezembro. Para 2017, a estimativa mudou de 77% para 78,1% do PIB.

Leia tudo sobre: mercadodéficitcontas públicasresultado anual

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas