Vai prestar concurso? Confira 12 dicas essenciais para se dar bem

Por Laís Martins - iG São Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

Veja como levar vantagem em relação aos concorrentes e garantir o melhor desempenho na disputa por uma vaga

Instituições abriram inscrições para concursos neste início do ano
Agência Brasil
Instituições abriram inscrições para concursos neste início do ano

Prestar concurso não é uma decisão de última hora e exige dedicação e preparação dos candidatos. O iG conversou com dois consultores especializados em concursos, Vincenzo Papariello Júnior, sócio-fundador da VP Concursos, e André Lopes, coordenador pedagógico da Gran Cursos e selecionou algumas dicas e informações importantes para ajudar quem quer aumentar suas chances de aprovação.

1) Tomada de decisão

Para André Lopes, coordenador pedagógico, o primeiro passo é a tomada de decisão. A pessoa precisa decidir, com convicção, que irá prestar o concurso. A partir deste momento, será possível traçar um projeto de trabalho. 

2) Elaboração de um planejamento

É preciso sentar e elaborar um planejamento de estudos. "É preciso seriedade com a disciplinas que queremos estudar, com o tempo disponível e os materiais", coloca André Lopes. Isso permitirá um planjejamento das atividades e também um monitoramento de trabalho. 

3) Estabelecer uma rotina de estudos

É importante criar uma rotina de estudos, e para isso, é necessário cultivar o hábito de estudar. "O ideal é iniciar aos poucos, como, por exemplo, uma hora por dia, e aumentar gradativamente essa carga", diz Vincenzo Papariello. 

4) Curso preparatório: vale o investimento?

Como uma espécie de "cursinho", existem escolas que funcionam exclusivamente como curso preparatório para concursos públicos. Existem outras opções, como consultorias, coaching e livros. Papariello avalia que cabe ao aluno avaliar qual a melhor opção para ele. "Fazer por fazer, ou fazer porque os amigos estão fazendo não é a melhor solução", alerta. 

5) Avaliar a necessidade de aulas

Mesmo que o candidato não opte por um curso preparatório, ele poderá fazer aulas para suprir carências, se for preciso. O conteúdo das disciplinas que a pessoa for mais vulnerável poderá ser trabalhado em aulas, coloca André Lopes. 

6) Grupo de estudos: solução ou cilada?

"Pode ser algo interessante, como também pode ser um tiro no pé", avalia Papariello. Para funcionar, exige engajamento e foco por parte dos integrantes, para que o trabalho se torne de fato produtivo. 

7) Tempo de preparação

Muitos candidatos não sabem exatamente com quanto tempo de antecedência devem começar a se preparar para as provas. Segundo Papariello, o ideal é começar a estudar antes do edital, e como nunca se sabe ao certo a data de publicação do edital, deve-se começar o quanto antes. "A maioria das pessoas quer começar a estudar depois que o edital é publicado. Quando você começa o estudo após o edital, as chances estão contra você", diz. 

8) Paciência

André Lopes diz que é preciso muita paciência."Vejo muitos que se frustram se não passam no concurso após três meses de estudo", conta o coordenador. Para ele, um ano, um ano e meio, é um tempo bastante razoável de estudo. 

9) Dedicação máxima

Todo o processo de estudo deve ser acompanhado de dedicação máxima, diz Lopes. Não se pode desistir no meio do processo. É fundamental que os candidatos mantenham uma mesma postura durante todo o processo, para que o esforço não tenha sido em vão. 

10) Diferenças entre concursos municipais, estaduais e federais

De acordo com Papariello, a principal diferença diz respeito à mobilidade que cada vaga oferece. "Concursos federais, em geral, possuem mais mobilidade, ou seja, a pessoa pode assumir em uma localidade e depois mudar para outra; nos Estados e nos municípios essa mobilidade é mais restrita", aponta o coach. No entanto, também influencia a questão financeira, já que em caso de crise econômica, os estados e municípios tendem a ser mais afetados. Isso pode comprometer o pagamento de salários, por exemplo. Um último ponto que Papariello coloca é quanto à frequência das provas. Enquanto concursos federais são mais frequentes, os estaduais e municipais costumam ocorrer com maior intervalo de tempo. 

11) Quem tem perfil para ser funcionário público?

Para Papariello, é complicado falar que todo mundo tem perfil para o serviço público. Algumas pessoas tem maior identificação com cargos que envolvam empreendorismo, o que os afasta do serviço público. "O serviço público é muito diversificado, e existem muitas áreas de interesse (como social, financeira e fiscalizadora), o que permite que muitas pessoas se identifiquem com cada área."

12) É possível conciliar trabalho com estudos?

É sim possível, diz Papariello. "Uma dedicação integral aos estudos não necessariamente representa uma vantagem. Se o candidato não tiver um bom preparo psicológico, para aguentar a pressão do desemprego, por exemplo, sair do emprego para focar nos estudos pode ser mais prejudicial do que conciliar estudo e trabalho", alerta o coach. O importante é ter disciplina com os estudos. Se a pessoa não tem disciplina, ela deve procurar ajuda, como uma consultoria. 



Leia tudo sobre: Concursos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas