Taxa de desemprego sobe de 6,6% para 9% em um ano, aponta IBGE

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

População ocupada permanece estável, o que aponta para o fato de que mais pessoas estão buscando emprego no País

Pessoas buscam emprego em anúncios na Praça da República, no centro de São Paulo
Desemprego, fila, Praça da República
Pessoas buscam emprego em anúncios na Praça da República, no centro de São Paulo

A taxa de desocupação do País foi estimada em 9% no trimestre móvel encerrado em outubro de 2015 (agosto, setembro e outubro), ficando muito acima da taxa do mesmo trimestre do ano anterior (6,6%). A população desocupada cresceu 5,3% no período, chegando a 9,1 milhões de pessoas após o acréscimo de 455 mil pessoas nessa categoria.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com o trimestre móvel encerrado em julho também houve alta (8,6%). Em relação ao trimestre de maio a julho e subiu 38,3% (mais 2,5 milhões de pessoas) no confronto com igual trimestre de 2014. Já a população ocupada (92,3 milhões de pessoas) ficou estável em ambas as comparações. Uma explicação possível  para a manutenção do percentual de pessoas ocupadas simultaneamente ao aumento de desocupadas é que mais pessoas estão procurando emprego, o que eleva o contigente da População Economicamente Ativa (PEA).

O número de empregados com carteira assinada recuou 1,0% (menos 359 mil pessoas) frente ao trimestre encerrado em julho e caiu 3,2% (menos 1,2 milhão de pessoas) frente a igual trimestre de 2014.

O rendimento médio real habitualmente recebido (descontada a inflação) em todos os trabalhos (R$ 1.895) ficou estável frente ao trimestre de maio a julho (R$ 1.907) e em relação ao mesmo trimestre de 2014 (R$ 1.914).

A massa de rendimento real habitualmente recebida em todos os trabalhos para o trimestre encerrado em outubro (R$ 169,6 bilhões) também não apresentou variação estatisticamente significativa em ambos os períodos de comparação.

Os indicadores da Pnad Contínua são calculados para trimestres móveis, utilizando-se as informações dos últimos três meses consecutivos da pesquisa. A pesquisa é realizada mensalmente por meio de uma amostra de domicílios, extraída de uma amostra mestra, de forma a garantir a representatividade dos resultados para os diversos níveis geográficos definidos para sua divulgação. A cada trimestre, são investigados 211.344 domicílios particulares permanentes, em aproximadamente 16 mil setores censitários, distribuídos em cerca de 3,5 mil municípios.

Leia tudo sobre: PNAD Contínuadesocupaçãodesemprego

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas