Ministro da Fazenda participará do encontro que discute desafios e soluções para o desenvolvimento dos negócios

Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, vai representar Brasil no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, na próxima semana. Ele será o único representante do primeiro escalão do governo brasileiro no encontro que anualmente discute a economia global. Desde 2011, quando assumiu o cargo, a presidenta Dilma Rousseff foi ao fórum de Davos uma única vez, em 2014.

Este ano, o tema do Fórum Econômico Mundial será a Quarta Revolução Industrial
AP/Keystone
Este ano, o tema do Fórum Econômico Mundial será a Quarta Revolução Industrial

O evento reúne líderes empresariais e governamentais de todo o mundo, acadêmicos, jornalistas e representantes da sociedade civil para discutir os desafios para o desenvolvimento mundial e melhorar o ambiente de negócios.

Este ano, os participantes do fórum vão assistir a discursos de líderes internacionais como o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

Barbosa irá a Davos acompanhado do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, e de dois representantes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: o secretário de Inovação, Marcos Vinícius de Souza, e o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), David Barioni.

Este ano, o tema do Fórum Econômico Mundial será a Quarta Revolução Industrial. De acordo com os organizadores do evento, mais de 1,5 mil líderes de negócios e cerca de mil membros de companhias internacionais vão debater os impactos da inovação e da tecnologia na indústria e na sociedade.

Antes da programação oficial do fórum, o Brasil participará, por meio do Ministério das Relações Exteriores, de um encontro ministerial que vai debater o futuro das negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC), após as últimas discussões do órgão em Nairobi (Quênia), no fim do ano passado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.