Clientes da Unimed Paulistana têm consultas e exames cancelados após quebra

Por Vitor Sorano - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Operadora reconhece o problema, afirma que conduta de credenciados é "abusiva" e prevê acioná-los judicialmente

Clientes da Unimed Paulistana têm tido cancelados exames e consultas estavam agendadas após a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinar na quarta-feira (2) a transferência dos 744 mil contratos da operadora, em dificuldades financeiras, para outras empresas.

Em nota, a Unimed Paulistana reconheceu o problema, e informou estar adotando medidas judiciais contra os prestadores de serviço que recusam seus beneficiários.

A direção da Unimed Paulista terá de fazer acordo para que outra empresas assumam seus clientes
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
A direção da Unimed Paulista terá de fazer acordo para que outra empresas assumam seus clientes

Grávida de sete meses, a consultora de marketing Andrezza Barletta, de 35 anos, tinha ultrassom marcado para o fim do mês num laboratório de Moema, bairro nobre de São Paulo. Nesta manhã de quinta-feira (3), foi informada pelo estabelecimento que o exame não seria realizado.

"Disseram que por conta da da falência [da Unimed Paulistana], não estão mais atendendo", diz Andrezza, ao iG. "Eu nem liguei para o obstetra. Estou esperando ele me ligar para dizer que não vai mais me atender", ironiza a consultora de marketing, que fez uma queixa sobre o assunto ao site Reclame Aqui.

A reportagem entrou em contato com o laboratório. Lá, a informação é que o estabelecimento teria sido descredenciado pela Unimed Paulistana na quarta-feira (2) – o que não foi confirmado pela operadora.

"No caso, se é Unimed Paulistana [o laboratório] não tem mais credenciamento. Mesmo os que já estavam agendados. Foi a própria Unimed que descredenciou", disse a atendente. "Ontem."

A autônoma Marta Oliveira também recebeu uma ligação nesta quinta-feria de um credenciado da Unimed Paulistana. Era a atendente do consultório de oftalmologia onde sua filha, Marília Lemos, de 20 anos, seria atendida no dia 17.

"Tentei ligar na Unimed mas eles não dão solução. Disseram que iriam verificar. O que vou fazer?", questiona Marta.

No consultório, a informação é que nem mesmo o autorizador da Unimed Paulistana – sistema de gestão dos atendimentos de clientes da operadora pelos prestadores de saúde - está funcionando.

"Unimed Paulistana está com atendimento suspenso até eles resolverem o que vão fazer. Toda a Unimed Paulistana", disse a atendente, sem saber que falava com a reportagem.

Em nota, a Unimed Paulistana reconheceu que parte de sua rede credenciada está suspendendo os atendimentos ao usuários de maneira "abusiva e unilateral".

"Neste sentido, a empresa, com vistas a continuar a prestar um atendimento de qualidade ao usuário, vem adotado as medidas administrativas e judiciais que a situação requer, o que faz em nome e no interesse de seus usuários e dos seus 2.500 cooperados".

A operadora ressaltou também que não teve a falência decretada pela Justiça, e alega que não está quebrada – embora sua situação financeira não a permita garantir o atendimento dos clientes.

"Os boatos neste sentido apenas agravam o relacionamento com os prestadores de serviço."

Cliente deve ser avisado 30 dias antes
Os médicos, laboratórios e demais prestadores de serviço não podem, de fato, cancelar o atendimento aos clientes da Unimed Paulistana de maneira imediata, diz o advogado Rafael Robba, especialista em planos de saúde.

"A rede credenciada tem obrigação de fazer o atendimento e posteriormente pode cobrar a conta da operadora. A lei diz que o cliente tem de ser avisado com 30 dias de antecedência", afirma Robba. "Se ele [credenciado] se recusar, o paciente pode acionar a Justiça."

Robba alerta que quem pensa em mudar de plano agora deve ficar atento, pois perderá a carência já cumprida na Unimed Paulistana - exceto se a nova operadora oferecer respeitá-la. A carência só será mantida se a Unimed Paulistana, ou a ANS, conseguir vender a carteira de clientes da operadora para uma outra empresa; ou se for estabelecido o sistema de portabilidade, caso a venda fracasse.


Leia tudo sobre: unimed paulistanaplano de saúde

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas