Desaceleração no Brasil pressiona Argentina e Uruguai

Relatório afirma que, embora os países sintam o impacto da desaceleração, principalmente pela queda das exportações, a Argentina parece estar mais vulnerável do que o Uruguai

Agência Estado |

Agência Estado

A desaceleração da economia brasileira, maior do que a esperada, está ampliando o desaquecimento já registrado na Argentina e no Uruguai, resultantes da crise global, afirma um relatório divulgado pela agência de classificação de risco Fitch nesta sexta-feira. "Embora os dois países sintam o impacto da desaceleração do Brasil, principalmente por meio da queda das exportações, a Argentina parece estar mais vulnerável do que o Uruguai", diz a analista Shelly Shetty.

Segundo ela, os problemas econômicos da Argentina "têm sido exacerbados pelo desaquecimento do Brasil, sendo que possivelmente a política intervencionista da Argentina vai impedir uma recuperação maior em 2013, quando o crescimento do Brasil deve acelerar".

MaisRecuperação econômica pode obrigar Brasil a elevar juros em 2013, diz FMI

Segundo a Fitch, os bons fundamentos do Uruguai - que permitem uma forte capacidade de respostas políticas - tornam o país mais resistente a choques temporários advindos da queda das exportações para o Brasil, à redução das receitas com turismo ou uma desaceleração cíclica da atividade econômica.

"A desaceleração do Brasil tem sido mais profunda e longa do que o previsto. O Produto Interno Bruto (PIB) deve subir 1,5% em 2012, ante 2,7% em 2011 e 7,5% em 2010. Os efeitos do enfraquecimento da economia brasileira sobre a Argentina e o Uruguai são mais sentidos por meio da queda nas exportações, o principal meio de transmissão em termos de PIB e geração de divisas estrangeiras", diz o relatório.

TambémPara Mantega, países ricos não podem exportar crise às custas de emergentes

Para a Fitch, a composição das exportações argentinas tornam o país mais sensível aos ciclos da economia brasileira, já que uma grande porção desse comércio é composta por carros e peças de automóveis vendidas exclusivamente para o Brasil. Por outro lado, as exportações de commodities, que são menos inelásticas e mais fáceis de serem realocadas, representam uma grande parcela das exportações uruguaias para o Brasil, o que torna o país menos sensível às alterações da demanda doméstica do Brasil. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: BrasilArgentinaUruguaiexportaçõescrise econômicaaceleração

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG