Dilma ataca 'protecionismo disfarçado' de países ricos

Presidenta volta a criticar postura de potências diante da crise e diz que medidas de austeridade não são a solução para o que chamou de “desemprego galopante”

iG São Paulo |

AP
Presidenta Dilma Rousseff discursa durante a cúpula entre países sul-americanos e árabes

A presidenta Dilma Rousseff defendeu nesta terça-feira a ampliação das parcerias entre os países sul-americanos e árabes como forma de reagir aos impactos da crise econômica internacional. Dilma reiterou as críticas ao protecionismo dos países desenvolvidos, como os Estados Unidos, que atinge a economia das nações em desenvolvimento. Ela também reclamou do que chamou de exportação da crise para o mundo.

“Os efeitos da crise econômica se propagam”, disse a presidenta, que foi a primeira chefe de Estado a discursar na 3ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo América do Sul–Países Árabes (Aspa), em Lima, no Peru. “Um protecionismo disfarçado se impõe”, acrescentou, apelando aos presentes: “precisamos desenvolver nossa cooperação com bases solidárias”.

Dilma condenou os países desenvolvidos que sofrem de maneira mais intensa os efeitos da crise econômica internacional e que adotaram planos de austeridade na tentativa de conter os impactos e pagar as dívidas. Para a presidenta, essas medidas não são a solução para o que chamou de “desemprego galopante”, que afeta principalmente os países da zona do euro

A exemplo do seu discurso na 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas, a presidenta reclamou dos países que desvalorizam suas moedas de forma artificial atrapalhando o comércio internacional. Para ela, uma das soluções é a parceria entre sul-americanos e árabes. Dilma lembrou que o comércio entre as duas regiões registrou aumento nos últimos anos e que, em 2011, envolveu US$ 27,5 bilhões.

“O futuro das nossas regiões depende da cooperação, educação e ciência”, ressaltou a presidenta, informando que essas parcerias levarão ao aumento da segurança alimentar e energética entre os países. “Não podemos nos conformar com o papel de meros exportadores de commodities, em um mundo cada vez mais interdependente.”

Também estão presentes à cúpula os presidentes Juan Manuel Santos (Colômbia), que amanhã (3) vai se submeter a uma cirurgia para a retirada de um tumor maligno na próstata, Rafael Correa (Equador) e Evo Morales (Bolívia), que usaram camisas e paletós tradicionais de seus povos, além de José Pepe Mujica (Uruguai) e Cristina Kirchner (Argentina).


Leia tudo sobre: dilma rousseffdesempregoaspa

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG