Comissão Europeia pede a Dilma reabertura de negociações Mercosul-UE

Reunião bilateral para destravar comércio entre os blocos econômicos deve acontecer no Brasil, no começo de 2013, segundo assessores do Planalto

Carolina Cimenti , de Nova York | - Atualizada às

Roberto Stuckert Filho / Presidência da República
A presidenta Dilma Rousseff e o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, pediu uma reunião bilateral com a presidenta Dilma Rousseff em Nova York para avançar e reabrir as negociações comerciais entre a União Européia e o Mercosul. Esta foi a única bilateral da presidente nesta segunda-feira.

Como passo inicial, os dois lados querem organizar uma cúpula de chefes de Estado no Brasil em janeiro de 2013. Os assessores da Presidência da República afirmaram que o Brasil acredita ser muito positiva a reabertura das negociações.

Barroso e Dilma também trocaram "profundas análises" sobre a crise econômica européia, segundo os assessores. Ao sair da reunião, Barroso comparou a crise com o futebol, e disse que a UE já jogou o primeiro tempo e agora pede que os chefes de Estado europeus continuem concentrados para o segundo. "Ninguém vai levar cartão vermelho, mas é preciso continuar jogando", disse o representante europeu, em referência a uma possível saída da Grécia da zona do euro.

Segundo os assessores da presidência, o tema econômico deverá dominar o discurso de Dilma na abertura dos debates da Assembléia Geral nesta terça-feira. A presidente também deverá mencionar o Oriente Médio, a reforma da ONU e a reforma do Conselho de Segurança da instituição.

Apesar da expressão "tsunami cambial" não ter entrado no discurso, Dilma também mencionará a chamada guerra cambial, que tem empurrado o real para cima. "Ela vai inclusive falar no Banco Central americano e no dólar", disse um assessor ao iG.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG