Reduções nos salários de policiais e bombeiros, que resultará num salário máximo de 700 euros, fez sindicatos apoiarem manifestações de outros trabalhadores

EFE

Atenas, 20 set (EFE).- Em uma jornada marcada pelos protestos dos agentes contra os novos cortes salariais, a Federação de Sindicatos de Policiais da Grécia anunciou nesta quinta-feira que os funcionários filiados não vão reprimir mais as manifestações dos trabalhadores. "Que não pensem em nos pedir para oprimir as manifestações de outros trabalhadores", declarou hoje o presidente da organização sindical Poasy, Jristos Fotopulos, em declarações ao canal "NET".

Manifestantes não serão mais reprimidos por policiais gregos, ameaça sindicato
AFP PHOTO
Manifestantes não serão mais reprimidos por policiais gregos, ameaça sindicato

Fotopulos, junto a outros dirigentes dos sindicatos de Policiais, de Bombeiros e da guarda-costeira, liderava um protesto hoje perante a sede do Governo contra os novos cortes salariais previstos pelo Executivo.

Entenda a crise econômica mundial

Os agentes que custodiavam o edifício impediram o acesso de seus colegas e, apesar da tensão envolvida, nenhum incidente foi registrado. Isso porque, um membro do gabinete do primeiro-ministro concordou em recebê-los e prometeu uma nova reunião para abordar as reivindicações dos policiais em dez dias.

Segundo os sindicatos das forças da ordem, o Ministério das Finanças propõe redução salarial de 6 a 7,5%, aplicada de forma retroativa desde julho. No entanto, a partir de janeiro de 2013, essa redução poderá ser superior aos 13%. Os sindicatos denunciam que se esses cortes forem aprovados, os agentes terão que trabalhar 50 horas semanais, incluindo turnos noturnos, para conseguir um salário máximo de 700 euros. Há duas semanas, 5 mil trabalhadores dos corpos de segurança se manifestaram em Atenas para protestar contra seus baixos salários. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.